22.03.2017 | 09h14


PREFERÊNCIA POR HUMANAS

Meninas perdem o interesse por ciências exatas aos 15 anos, diz estudo

Seis em cada 10 meninas admitiram que se sentiriam mais confiantes se as ciências exatas empregassem homens e mulheres igualmente



Uma pesquisa feita pela Microsoft concluiu que meninas começam a se interessar por matérias exatas (ciência, tecnologia, engenharia e matemática) aos 11 anos e costumam perder o interesse com 15.

“A conformidade com as expectativas sociais, os estereótipos de gênero e a falta de modelos continuam a canalizar as escolhas de carreira das meninas”, disse o professor de psicologia Martin Bauer da London School of Economics, para a CNN. Ele ajudou a coordenar a pesquisa com 11.500 meninas em 12 países europeus.

A pesquisa também constatou que o interesse das meninas em matérias de humanas cai por volta da mesma idade, mas depois aumenta fortemente. Já o interesse em matérias exatas não se recupera.

“Isso significa que professores e pais só têm quatro ou cinco anos para nutrir a paixão das meninas antes de elas virarem as costas para essas áreas”, disse a Microsoft. Além disso, seis em cada 10 meninas admitiram que se sentiriam mais confiantes perseguindo uma carreira de ciências exatas se soubessem que homens e mulheres seriam empregados igualmente nesse campo.

A Microsoft

Um relatório apresentado em 2016 sobre o ambiente de trabalho da Microsoft mostra que apenas 26% dos seus empregados são do sexo feminino e menos de 18% dos seus engenheiros são mulheres. O que, aparentemente, está em transformação.

“Uma força de trabalho diversificada e inclusiva produzirá melhores produtos e soluções para nossos clientes e melhores experiências para nossos funcionários”, disse a empresa.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Enquete

R$ 65 MILHÕES

Você é a favor ou contra o corte de Bolsonaro no orçamento da UFMT e IFMT?

Sim, só produzem baderna

Não, vai piorar o nível dos cursos

Sim, a maior parte do gasto é com altos salários de servidores

Não, deveria aumentar os investimentos

  • Parcial

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER