25.04.2019 | 10h01


COMPORTAMENTO

Brasileiro tem mais medo de ficar feio do que de ficar pobre, diz pesquisa

A autoestima dessas pessoas é melhor do que a de jovens para a maioria dos assuntos, mas há um estigma sobre a palavra 'velha'.



Nem a baixa aposentadoria, nem o alto custo dos planos de saúde ou mesmo a solidão preocupam mais o brasileiro com 50 anos ou mais do que a própria estética. Pesquisa divulgada ontem em São Paulo revela que 25% dos brasileiros nessa faixa etária temem mais as mudanças no corpo e a sensação de se sentirem feios do que a pobreza ou a doença.

A segunda principal preocupação do brasileiro com 50 anos ou mais é a falta de dinheiro (20%), seguida pela solidão (18%), sentir-se inútil (14%), ser um peso para outras pessoas (11%), não ter alguém para cuidar deles (10%) e as doenças (2%), informou o Instituto Locomotiva em evento da Bradesco Seguros.

"Não é só vaidade", explica o autor do estudo e presidente do instituto, Renato Meirelles. "É como se essa preocupação fosse a materialização do preconceito que existe em relação ao envelhecimento."

Por outro lado, a maior preocupação entre aqueles com menos de 50 anos é "com os outros", com 52% das respostas. "Quem tem mais problema de autoestima são os jovens, e não os mais velhos."

Essa autoconfiança também se reflete em como esse público se sente, independentemente do que mostra o calendário: apenas 10% se consideram velhos, 81% não se acham nem jovens nem velhos, 8% se definem jovens e 1% muito jovens.

Quando questionados sobre como preferem que se refiram à sua faixa etária, 32% desses brasileiros sugerem a palavra "madura"; 25% escolhem "terceira idade"; e 3%, "velhas".

A autoestima dessas pessoas é melhor do que a de jovens para a maioria dos assuntos, mas há um estigma sobre a palavra 'velha', [que é] associada a algo ruim. Assumir que são velhos em uma sociedade preconceituosa significa assumir essa vulnerabilidade.

Invisíveis para a publicidade

Embora recebam baixos salários, os aposentados brasileiros representam 42% da renda nacional: movimentam R$ 1,8 trilhão por ano, mais do que o consumo de toda a classe C, segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). "Se os brasileiros com mais de 50 formassem um país, ele seria o 18º mais rico do mundo. Estaria no G20 do consumo mundial", diz Meirelles.

Mesmo assim, esse público não se enxerga nas campanhas publicitárias: 77% dos brasileiros maduros acham que as pessoas nas propagandas são muito diferentes delas. "Setenta e sete por cento do maior mercado consumidor do Brasil se sente rejeitado pela publicidade."

Quem vive no Brasil com 50 anos ou mais também tem seus arrependimentos. Em uma das questões de múltipla escolha, 83% dos entrevistados disseram que, se pudessem voltar no tempo, teriam "cuidado melhor da saúde", empatado com "guardado mais dinheiro" (83%) e seguido por "se alimentado de forma mais saudável" (81%), "estudado mais" (81%) e "feito mais exercícios físicos" (80%).

Milhões de "maduros" sem poupança

Hoje, 25% da população tem 50 anos ou mais. São 54 milhões de brasileiros, mais do que duas Austrálias, com 22,4 milhões habitantes, e do que toda a população da Espanha (47,7 milhões). Até 2050, 43% da população brasileira terá mais de 50 anos, ou 98 milhões de pessoas.

Hoje, 65% dos brasileiros nessa faixa de idade não guardam dinheiro para a velhice. Ao todo, 35% desse público faz poupança, e 23% deles têm o equivalente a três ou mais meses de renda. "Eles trabalharam a vida inteira e trabalham ainda hoje, mas têm renda limitada, não conseguem poupar", avalia o pesquisador.

O problema, diz, é que os jovens sempre acham que terão dinheiro suficiente quando a velhice chegar. Embora 77% dos jovens acreditem que aos 50 terão condições financeiras favoráveis, 69% de quem, hoje, tem 50 anos ou mais consideram sua condição financeira "menos confortável do que imaginava na juventude".











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Enquete

R$ 65 MILHÕES

Você é a favor ou contra o corte de Bolsonaro no orçamento da UFMT e IFMT?

Sim, só produzem baderna

Não, vai piorar o nível dos cursos

Sim, a maior parte do gasto é com altos salários de servidores

Não, deveria aumentar os investimentos

  • Parcial

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER