15.05.2019 | 16h35


SAÚDE E BEM ESTAR

Anvisa aprova primeira imunoterapia para câncer de mama no Brasil

A aplicação se dá de forma intravenosa (na veia), fazendo com que as células cancerosas.



A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) aprovou a primeira imunoterapia para tratar pacientes com câncer de mama na última segunda-feira, de acordo com publicação no Diário Oficial da União.

A técnica, que já havia mostrado ser efetiva para tratar cânceres de mama agressivos, chega ao país para tratar especificamente cânceres de mama triplo-negativos na fase metastática da doença.

O que é imunoterapia?

A imunoterapia faz uso de anticorpos monoclonais para estimular o sistema imunológico. Em outras palavras, a técnica estimula as células defensoras do próprio organismo contra doenças. Nesse caso, as drogas não visam as células do tumor, e sim as células de defesa do organismo, a fim de que elas detectem e combatam a doença.

A aplicação se dá de forma intravenosa (na veia), fazendo com que as células cancerosas --que têm o "poder" de enganar o mecanismo de defesa do organismo -- sejam percebidas e combatidas.

Os riscos e efeitos colaterais são poucos, e todos resultam da ativação imunológica do corpo. Isso significa que as células de defesa podem atacar partes do próprio organismo, comprometendo órgãos e tecidos. Alguns dos problemas comuns são alterações gastrointestinais, endócrinas e na pele.

Estudo comprova eficácia do tratamento

Um estudo publicado na revista científica The New England Journal of Medicine no ano passado, demonstrou que, quando administrada em conjunto com quimioterapia, a técnica pode aumentar a sobrevivência e interromper o crescimento do tumor em pacientes --uma redução de 38% no risco de progressão ou morte e ganho de 10 meses de sobrevida.

De acordo com Carlos Barrios, médico brasileiro que participou da pesquisa, a aprovação é um grande passo para o tratamento no país e deve ser encarada como prioridade. "As pacientes com triplo-negativo avançado ou metastático, estágio no qual a doença já passou para outros órgãos, têm um prognóstico difícil. Este tratamento aprovado pela Anvisa se torna o preferencial na prática clínica", explica o especialista, que é diretor do Centro de Pesquisa em Oncologia do Hospital São Lucas (RS) e do Lacog (Grupo Latino-Americano de Pesquisa em Oncologia Clínica).











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Enquete

R$ 65 MILHÕES

Você é a favor ou contra o corte de Bolsonaro no orçamento da UFMT e IFMT?

Sim, só produzem baderna

Não, vai piorar o nível dos cursos

Sim, a maior parte do gasto é com altos salários de servidores

Não, deveria aumentar os investimentos

  • Parcial

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER