04.11.2018 | 08h10


MORTE NO CPA

Travesti que matou garota de programa a pedradas também assassinou cliente

Os crimes aconteceram em 2015 e 2018 e em ambos foram motivados por prostituição e drogas.


DA REDAÇÃO

A travesti Michele Latrocínia, registrado como Adelmar de Carvalho Amorim, 31 anos, que confessou ter assassinado uma garota de programa com pedradas na cabeça, no último dia 25, já havia sido presa três anos antes por também matar um cliente no mesmo local, também, a pedradas.

O primeiro crime aconteceu em 11 de janeiro de 2015, no bairro CPA 3. À época, Adelmar se identificava como garoto de programa.

Segundo a polícia, por volta das 4h30 da madrugada daquele dia, ele estava perto do corpo, sujo com sangue e confessou o crime, pois o homem não teria pago o programa. Adelmar chegou a ficar preso, mas foi solto por progressão de pena.

Três anos depois, “Michele Latrocínia” se envolveu em outro crime muito parecido com o primeiro.

Na madrugada da última quinta-feira (25), ela executou Elciwany Rocha da Mata, 43 anos, também no bairro CPA 3. O criminoso confesso, mais uma vez, foi encontrado pela polícia suja de sangue e próximo ao corpo da vítima.

Desta vez, ela tentou escapar da polícia ao afirmar que estava no local para fazer programa com a amiga quando cinco clientes chegaram. Conforme sua versão inicial, foram os clientes que atacaram Elciwany. Sobre o sangue em sua roupa, ele disse que teria se sujado ao tentar reanimar a vítima.

Encaminhada para a delegacia, Adelmar começou entrar em contradições e acabou por fim confessando ser o autor do homicídio. A motivação seria uma briga por drogas.

Ainda segundo a polícia, o assassino possui outras passagens por roubo e tráfico de drogas.

Desta vez ele foi autuado em flagrante pela Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) e colocado à disposição do judiciário.

Leia mais

Travesti mata garota de programa com pedradas na cabeça em Cuiabá











(2) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Robson - somente a cultura liberta  05.11.18 11h40
Essa progressão de pena que deveria acabar, pois se ele tivesse sido preso não iria cometer outro homicídio, ao meu ver a pena mais justa para homicídios por motivo fútil seria a prisão perpétua com direito a revisão após 15 anos, mas a constituição federal proíbe essa pena,para os desinformados e eleitores que mais se assemelham a torcedores em estádio de futebol quero dizer quem muda as leis penais é o Congresso Nacional através dos Deputados Federais e Senadores, portanto qualquer alteração não depende do Presidente da República, que neste caso particular somente pode sancionar e/ou vetar a referida lei penal. Só a cultura liberta, precisamos de um sistema que corte privilégios dos 3 poderes, mas isso nenhum político irá fazer, somente o povo, como? indo as ruas exigindo mudanças nesses privilégios, pois tudo continuará assim por décadas se o povo não manifestar mudanças no sistema, e isso não é suficiente somente com a alternância no poder.

Responder

1
0
Henrique Dias  04.11.18 14h26
Bolsonaro chegou pra acabar com essa palhaçada de prender e soltar bandido o tempo todo.

Responder

38
6

Enquete

O Governo de Mauro Mendes vai ser melhor ou pior que o de Pedro Taques?

Melhor

Pior

Iguais

Não sei

  • Parcial Votar

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER