11.10.2017 | 11h10


ZERO KM

Travesti leva tiro na boca após programa sexual em Várzea Grande

A travesti já havia sido detida pela Polícia Militar, na última sexta-feira (6), acusada de ter roubado um cliente.


DA REDAÇÃO

A travesti Eliandro Brasilino de Morais, 31 anos, sofreu uma tentativa de assassinato na madrugada de quarta-feira (11), no bairro Jardim Potiguar, região do Zero Km – ponto conhecido de prostituição em Várzea Grande.

A travesti já havia sido detida pela Polícia Militar, na última sexta-feira (6), acusada de ter roubado um cliente.

Já na madrugada desta quarta-feira (11), ela havia realizado um programa sexual e o cliente a deixou na rua. Realizando diversos disparos de arma de fogo em seguida.

Eliandro foi atingido por dois tiros. Um deles acertou a boca e atravessou a face, saindo pela nuca. O outro tiro atingiu o braço esquerdo.

Testemunahas acionaram o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), que socorreu a vítima e encaminhou para o Pronto-Socorro de Várzea Grande.

De acordo com a assessoria do Pronto Socorro, a travesti segue internada, mas o estado de saúde é estável e não corre risco de morte.

O autor dos disparos estaria em um Citroën C4 Pallas e fugiu do local após o crime.

A Polícia Militar realizou buscas na região, mas o criminoso não foi localizado.

A tentativa de assassinato é investigada pela Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

Acusadas de roubo

Eliandro foi encaminhado para a delegacia, na semana passada, juntamente com outras quatro travestis. Elas foram acusadas de roubo e desacato.

A situação aconteceu por volta das 5h30, quando a recepcionista de um motel acionou a PM após a denúncia de que um homem, de 41 anos, estava sendo vítima de roubo em um dos quartos.

Ao chegar no local, a vítima estava com diversos hematomas no rosto e um dente quebrado, devido às agressões sofridas. O homem relatou que as travestis pegaram a chave de seu carro, um Fiat Uno, e queriam seu dinheiro.

Leia mais

Travestis são presas por tentativa de roubo e desacato no Zero KM











(1) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Leda  11.10.17 21h28
Muito triste isso, geralmente os travestis não conseguem se integrar no mercado de trabalho por preconceito das pessoas e sao obrigados a viver de prostituiçao e no submundo da criminalidade, é uma pena que no Brasil não existe uma politica publica que veja a condiçao desses individuos e crie um sistema de qualificaçao profissional que possa vir ao encontro a necessidade dessa populaçao tão sofrida, criticada, e rejeitada por grande parte da sociedade.

Responder

4
4

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER