21.05.2019 | 17h10


APÓS 3ª AGRESSÃO

Servidor que invadiu casa da ex é solto após pagar fiança de R$ 1,5 mil

Medidas protetivas foram estabelecidas no começo do mês; essa seria a terceira vez que a vítima é agredida pelo ex-companheiro


DA REDAÇÃO

O servidor público, Jonatas José Cardoso, 34 anos, preso no domingo (19), por descumprir medida protetiva e invadir a casa da ex-mulher, pagou fiança de R$ 1,500 e foi solto após passar por audiência de custódia, na última segunda-feira (20), em Colíder (648 km de Cuiabá).

A juíza Gisela Regina Sobreira de Oliveira Andrade, da Terceira Vara Criminal, da Comarca de Colíder, expediu o alvará de soltura. Foram determinadas medidas cautelares, em que o agressor é proibido de frequentar bares, boates e estabelecimentos noturnos e deve comparecer mensalmente até o dia de cada mês na secretaria do Fórum, para justificar suas atividades. Ele não pode deixar a cidade onde mora, por período superior a 15 dias, sem autorização judicial, não pode mudar de endereço ou local de trabalho sem comunicar a Justiça.

Jonatas é fiscal de tributos do Município e foi preso em flagrante, no domingo (19), após descumprir medida protetiva e invadir a casa da ex-mulher E.S.D.O., de 32 anos, no bairro da Torre.

De acordo com o delegado do caso, Ruy Guilherme Peral da Silva, essa é a terceira vez que a vítima é agredida por Jonatas.

No começo do mês, ela teria sido puxada pelo pescoço e arrastada pela rua, pelo agressor. A polícia foi acionada, mas ele conseguiu fugir.

Na ocasião a mulher foi conduzida à delegacia, onde foram requisitadas medidas protetivas.

“Visando garantir a ordem pública e assegurar a aplicação da lei penal, a Polícia Civil representou perante o Poder Judiciário, pela conversão da prisão em flagrante pela prisão preventiva”, destacou o delegado.

 Denuncie

A Secretaria Nacional de Políticas oferta, desde 2005, a Central de Atendimento à Mulher em Situação de Violência, no disque 180, para denúncias de violência contra mulher amparadas na Lei Maria da Penha.

É um serviço de utilidade pública, gratuito e confidencial (preserva o anonimato). O Ligue 180 tem como objetivo receber as queixas, orientar as vítimas, acionar a Segurança Pública e, se necessário, as encaminhar para outros serviços. 

Leia mais:

Jovem é morta com tiro na testa na frente da filha de 4 anos; ex-namorado é suspeito

 

Acusado de matar ex-namorada é baleado em troca de tiros com a polícia











(1) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Maria Auxiliadora   21.05.19 17h34
Depois de três agressões graves e descumprimento medida protetiva, a juíza o liberou??? Se a mulher morrer o sangue estará nas mãos dessa juíza.

Responder

9
0
pedro Kuhl  21.05.19 21h31
Maria, você não entendeu ............... "SERVIDOR PUBLICO" ................. amizades, alguém liga para alguém ou outros macetes e é isso que acontece ! ....... eu tenho uma filha, ainda pequena, ... mas .... se isso algum dia acontecer, um sujeito desses, se andar de novo, é na cadeira de rodas ..... a justiça não é justa ........ odeio a violência ...... mas a "justiça" nos obriga agir assim para que haja mesmo justiça ..... tem que dar uma coça nesse malandro e numas duzias amais (VÃO ME CHAMAR DE VIOLENTO ....... OU ESSE ELEMENTO ???? )

Responder

4
0
Matéria(s) relacionada(s):

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER