11.06.2019 | 16h00


ATUAVA NO CPA

Recolhedor de dinheiro de bicheiro rival de Arcanjo entrega à polícia

Ronaldo Guilherme estava foragido desde 29 de maio, quando a Operação Mantus prendeu João Arcanjo Ribeiro e outros.


DA REDAÇÃO

Ronaldo Guilherme Lisboa dos Santos, que era considerado foragido da Operação Mantus, se entregou na manhã desta terça-feira (11), na sede da Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO). Ele atuava recolhendo dinheiro de jogo do bicho para a organização Ello, comandada por Frederico Müller Coutinho, principal rival de João Arcanjo Ribeiro em Mato Grosso.

O apurou que ele recolhia os valores em bancas de apostas espalhadas pela região que corresponde ao “grande CPA”, em Cuiabá.

Após se apresentar com um advogado, Ronaldo prestou depoimento e foi encaminhado ao presídio.

Operação Mantus

A operação cumpriu 63 mandados judiciais, sendo 33 de prisão preventiva e 30 de busca e apreensão domiciliar, no dia 29 de maio deste ano. As investigações iniciaram em agosto de 2017, conseguindo descortinar duas organizações criminosas que comandam o jogo do bicho no Estado de Mato Grosso, e que movimentaram em um ano, apenas em contas bancárias, mais de R$ 20 milhões.

Uma das organizações, conforme a polícia, é liderada por João Arcanjo Ribeiro e seu genro Giovanni Zem Rodrigues, já a outra é liderada por Frederico Muller Coutinho.

O comendador

João Arcanjo Ribeiro, conhecido como “comendador”, é acusado de liderar o crime organizado em Mato Grosso, nas décadas de 80 e 90, sendo o maior “bicheiro” do Estado, além de estar envolvido com a sonegação de milhares de Reais em impostos, entre outros crimes.

No ano de 2002, Arcanjo foi alvo da operação da Polícia Federal, Arca de Noé, em que teve o mandado de prisão preventiva expedido pelos crimes de contravenção penal, formação de quadrilha, lavagem de dinheiro e homicídio. A prisão do bicheiro foi cumprida em abril de 2003 no Uruguai. Arcanjo conseguiu a progressão de pena do regime fechado para o semiaberto em fevereiro de 2018, após 15 anos preso.

O comendador II

O empresário Frederico Müller Coutinho é um dos delatores da Operação Sodoma, que investigou fraudes que resultaram na prisão do ex-governador Silval Barbosa. Müller trocava cheques no esquema e chegou a passar dinheiro para o então braço direito do ex-governador. Os cheques teriam sido emitidos como parte de um suposto acordo de pagamento de propina ao grupo político do ex-governador.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER