14.07.2019 | 07h40


EM UMA SEMANA

Duas operações caçaram 91 bandidos do Comando Vermelho em MT

As operações Tentáculos e Agenda Nacional 1 prenderam bandidos que atuavam dentro e fora dos presídios de Mato Grosso.


DA REDAÇÃO

Duas operações seguidas caçaram 91 bandidos em Mato Grosso somente nesta última semana. Os criminosos são membros ou associados à facção Comando Vermelho, atuante em diversos crimes nos Estado.

Conforme a Polícia Civil, os faccionados alvos da operação atuavam em 10 municípios de Mato Grosso e em Aragarças (GO). Dos 91 alvos das duas operações, 20 não foram capturados.

A primeira ação aconteceu na manhã de terça-feira 09 de julho. A operação denominada Tentáculos foi deflagrada para cumprir 58 mandados de prisão contra criminosos, que atuavam em Campo Novo dos Parecis, Tangará da Serra, Barra dos Bugres, Cuiabá, Rondonópolis e Juína. A Penitenciária Central do Estado (PCE), em Cuiabá, e a Penitenciária Major Eldo Sá (Mata Grande), em Rondonópolis, também foram alvos da ação.

RepórterMT/PJC

IMG-20190710-WA0001.jpg

Operação Agenda Nacional teve atuação de policiais estaduais e federais.

Um dia depois, 10 de julho, forças estaduais e nacionais de segurança deflagraram a Operação Agenda Nacional I. Nesta, foram expedidos 33 mandados de prisão e 40 de busca e apreensão contra bandidos do Comando Vermelho. Os criminosos atuavam nas cidades de Barra do Garças, Água Boa, Nova Xavantina, Comodoro, Cuiabá, e Aragarças, em Goiás.

Conforme a Polícia Civil, os criminosos eram responsáveis por crimes graves como assaltos, roubos de carros, furtos, e até latrocínios.

Na Operação Tentáculos, o delegado Adil Pinheiro de Paula informou que a ação foi a 5ª fase de uma investigação desenvolvida ao longo de quatro anos e essa última etapa foi decorrente do acompanhado investigativo e de inteligência (núcleo de Tangará da Serra) há um ano.

“As investigações dessa operação iniciaram cerca de um ano. A Polícia Civil começou a monitorar integrantes da organização criminosa que atua no Médio-Norte do Estado. As investigações evoluíram e  identificamos que a chefia dessa organização parte de dentro das cadeias. A operação então passou a focar nos líderes da organização nas principais cadeias do Estado, Várzea Grande, Cuiabá, Rondonópolis, Campo Novo dos Parecis e Tangará da Serra”, explicou o delegado.

IMG-20190709-WA0006.jpg

 Dos 91 alvos das operações, 20 estão foragidos.

No caso da Operação Agenda Nacional I, o delegado da Polícia Civil de Barra do Garças, Nelder Pereira Martins, coordenador da operação e presidente dos autos do inquérito policial, informou que o fato dos presos integrarem organização criminosa já caracteriza delito autônomo ou independente com pena de reclusão de 3 a 8 anos.

“Nesse sentido, a Polícia Judiciária Civil de Barra do Garças representou pela expedição de 33 mandados de prisão preventiva e, a fim de coletar ainda mais provas representou também pela expedição de 40 mandados de busca e apreensão”, disse.

Conforme Nelder, a forma de agir da facção criminosa é semelhante em vários estados da federação, assim como em outras regiões de Mato Grosso, sempre objetivando aumentar o lucro financeiro da organização.

"Nossas investigações vêm combatendo a facção deste a Operação 10º Mandamento, em 2018. Esse trabalho conjunto com todas as instituições reforça ainda mais essa repressão qualificada", afirma. 











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER