06.04.2019 | 14h50


ALARMANTE

Ao menos oito mulheres são vítimas de violência por dia em Cuiabá

Em 2018 3.054 mulheres foram vítimas de algum tipo de violência. O comparativo aponta que a média de registros é de 254 registros ao mês.


DA REDAÇÃO

Um anuário elaborado pela Delegacia de Defesa da Mulher aponta que 3.054 mulheres foram vítimas de algum tipo de violência ao longo de 2018, em Cuiabá. Dado equivale a mais de oito mulheres agredidas, espancadas, estupradas e até mortas, por dia, na Capital mato-grossense.

O comparativo ainda aponta que, em média, 254 mulheres sofreram algum tipo de violência por mês. O período com maior incidência foi em junho, quando 263 casos envolvendo mulheres como vítimas foram registrados em Cuiabá.

Em novembro, A Polícia Civil prendeu o sargento da PM, Valmir Corrêa, de 51 anos, por agredir a companheira em um estacionamento em frente à Delegacia Especializada de Defesa da Mulher de Cuiabá (DEDM).

A prisão do agressor aconteceu após uma policial da DEDM ser acionada pelo funcionário do estacionamento, sobre a agressão que ocorria no local. Na abordagem, os policiais o encontraram armado e a vítima gritando por socorro. Diante da situação, a arma foi apreendida e o casal conduzido à delegacia, onde foi constatado que a vítima já havia entrado com pedido de medidas protetivas.

RepórterMT/Reprodução

Odineia Porfiria Miltes,

Odneia foi assassinada pelo marido em 2018, em Cuiabá.

Em novembro, a Delegacia Especializada de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) prendeu o acusado de matar uma mulher, na região central de Cuiabá. Denivaldo Albino da Silva, 41 anos, foi preso em flagrante e autuado no crime de feminicídio. O corpo da vítima foi encontrado no chão, com short jeans e blusa branca, descalça e caída na calçada da Avenida Presidente Marques, próximo ao colégio Liceu Cuiabano. Ela estava sem documentos não foi identificada.

Outro crime grave foi o assassinato de Odineia Porfiria Miltes, 30 anos, que representa bem os dados do anuário. Ela foi morta com várias facadas dentro de casa, no Distrito da Guia, em Cuiabá, na madrugada de quarta-feira 19 de dezembro de 2018. No bairro dela, outras 14 mulheres foram vítima da violência naquele ano. O principal suspeito de ter assassinado Odineia era o então marido dela, Carlinho Hipólito da Silva, 38 anos.

De acordo com a Polícia Militar, Carlinho foi preso em uma rua, próximo a casa onde aconteceu o assassinato. Ele estava bêbado e apresentava falas e versões desconexas.

RepórterMT/PJC

bairros onde mulheres sofrem violência em Cuiabá

Bairros com maior índice de violência contra mulher.

Dados ajudam na prevenção

Conforme o anuário, os dados coletados pela delegacia “remetem a informações que podem servir de orientações para outros profi­ssionais que trabalham com a prevenção, com a repressão e com a assistência às vítimas de violência doméstica”.

Ainda assim, é ponderado o fato de o Estado dar um apoio real às vítimas, para que elas se sintam amparadas e protegidas pela Lei.

“É preciso fortalecer ainda os serviços de assistência social e psicológico à vítima de violência doméstica, que decide denunciar o agressor, ainda nos casos iniciais do ciclo de violência. Uma mulher que sofre um crime tipifi­cado como injúria real precisa ser apoiada pelo Estado e pela sociedade, afim de que possa se libertar desse ciclo, antes que ele passe a se tornar cada vez mais grave e chegue ao último grau”, consta no anuário.

Leia mais

Policial dá soco na boca de ex na porta da Delegacia de Defesa da Mulher

Março registra mortes, estupros, sequestros e espancamentos em MT

Marido é preso acusado de matar mulher a facadas no Distrito da Guia

Mulher foi assassinada a tesouradas por flanelinha em Cuiabá; Acusado foi preso

Ex fez sexo com mulher antes de matar a facadas 











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Matéria(s) relacionada(s):

Enquete

R$ 65 MILHÕES

Você é a favor ou contra o corte de Bolsonaro no orçamento da UFMT e IFMT?

Sim, só produzem baderna

Não, vai piorar o nível dos cursos

Sim, a maior parte do gasto é com altos salários de servidores

Não, deveria aumentar os investimentos

  • Parcial

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER