19.10.2018 | 11h43


SFT TIROU SIGILO

Taques e Leitão são acusados de corrupção em delação de Alan Malouf

Empresário prestou informações sobre esquema de corrupção na Seduc feito para pagamento de Caixa 2 na campanha tucana.


DA REDAÇÃO

O ministro Marco Aurélio, do Supremo Tribunal Federal (STF), levantou o sigilo do acordo de colaboração premiada fechado pelo empresário Alan Ayoub Malouf com a Procuradoria-Geral da República (PGR). Na delação, Malouf implicou o governador Pedro Taques e o deputado federal Nilson Leitão, ambos do PSDB, em um esquema de corrupção na Secretaria de Estado de Educação (Seduc).

De acordo com Malouf, o dinheiro desviado da pasta serviria para pagar “investimentos” feitos por ele, da ordem de R$ 10 milhões, durante a campanha eleitoral de 2014. O dinheiro, não declarado à Justiça Eleitoral, seria de caixa 2.

A decisão do ministro foi dada a pedido da PGR no dia 15 de outubro e publicada no Diário da Justiça Eletrônico desta sexta-feira (19).

De acordo com Malouf, o dinheiro desviado da pasta serviria para pagar “investimentos” feitos por ele, da ordem de R$ 10 milhões, durante a campanha eleitoral de 2014. O dinheiro, não declarado à Justiça Eleitoral, seria de caixa 2.

“No requerimento de homologação do acordo, o Ministério Público Federal esclareceu ter o delator revelado dados de esquema de arrecadação de verbas, captadas mediante a doação de empresários e a formação de chamado caixa dois, destinadas à campanha eleitoral de Pedro Taques ao Governo do Estado de Mato Grosso, em 2014. Segundo asseverou, o retorno aos doadores consistiria na celebração de contratos, regulares ou não, com o Poder Público naquele Estado. Destacou a existência de vinte cadernos anexados ao acordo de colaboração premiada, nos quais descrita a interlocução do delator com o Governador e outras autoridades que detêm a prerrogativa de serem processadas no Superior e no Supremo, entre as quais o   deputado   federal   Nilson   Leitão.   Consoante   aduziu,   o   delator   apontou esquema de desvio de recursos públicos, por meio de fraudes a licitação, no âmbito da Secretaria de Estado de Educação, Esporte e Lazer de Mato Grosso, durante a gestão do então secretário Permínio Pinto Filho, indicado pelo mencionado parlamentar, este último o suposto beneficiário do esquema ilícito, considerado o favorecimento de empresários que contribuíram para a própria campanha”, diz o ministro na decisão.

O acordo de colaboração premiada foi fechado por Malouf em abril deste ano e veio à tona no final de agosto, durante a campanha eleitoral, divulgado pelo jornal Folha de São Paulo. Pedro Taques concorria à reeleição e foi derrotado pelo ex-prefeito Mauro Mendes (DEM) e Nilson Leitão concorria ao cargo de senador, mas foi apenas o quinto mais votado.

“O Ministério Público Federal, agora, destaca não haver interesse na preservação do sigilo nestes autos, aludindo à publicização parcial verificada, requerendo o afastamento do fenômeno. Cumpre acolher o pleito, no que a manifestação do Órgão acusador, titular da ação penal, revela não mais subsistir   justificativa,   sob   a   óptica   do   sucesso   da   investigação,   para   a manutenção do sigilo. Defiro-o”, decidiu Marco Aurélio.

Leia mais:

STF homologa delação de Alan Mallouf e pode complicar Taques e Leitão

Ex-secretário diz que Taques integrou esquema para quitar dívidas de campanha 

 

 











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER