08.08.2018 | 14h25


DÉFICIT DE R$ 1,5 BILHÃO

Taques defende Reforma da Previdência e culpa poderes por dificuldades

A previsão é que em dois anos o caixa do Estado não tenha condições de manter os aposentados.


DA REDAÇÃO

O governador Pedro Taques (PSDB) defendeu uma Reforma Previdenciária nacional e o aumento da alíquota previdenciária paga pelos servidores públicos do Estado. Taques lembrou que, de acordo com as projeções do Governo, o déficit da Previdência, coberto com a fonte 100, deve chegar a R$ 1,5 bilhão em 2020.

Em entrevista à Rádio Mega FM, nesta quarta-feira (08), o governador voltou a defender um aumento progressivo na contribuição dos servidores estaduais para a Previdência.

“A Reforma Previdenciária, nós apresentamos ao Conselho Previdenciário a necessidade de aumentarmos a alíquota de 11% para 12,5% e depois 14% através de um gatilho. A lei de Mato Grosso veda que o governador possa apresentar projetos de Reforma Previdenciária sem autorização do conselho. Eu sou o presidente, mas outros poderes estão lá e não desejam a modificação da alíquota previdenciária. Os servidores não desejam isso”, disse.

“A Reforma Previdenciária, nós apresentamos ao Conselho Previdenciário a necessidade de aumentarmos a alíquota de 11% para 12,5% e depois 14% através de um gatilho", disse Taques.

Taques afirmou que houve negociação com os servidores, por meio do Fórum Sindical, mas que não houve acordo. “Chamamos o Fórum Sindical para conversar e eu falei: ‘daqui a 10 anos, eu não serei servidor público estadual’. Mas nós temos 30 mil servidores aposentados que precisam desta reforma, sob pena de nós não termos dinheiro para paga-los daqui a pouco”, afirmou.

O governador ainda lembrou os valores que vem sendo desembolsados pelo Executivo para cobrir o déficit da Previdência. 

“Em 2014, o Governo do Silval Barbosa retirou da fonte 100 para a Previdência R$ 450 milhões. Era dinheiro que poderia ir para a Educação, para a Saúde, para a Segurança. A nossa administração, em 2017, mais R$ 900 milhões. Daqui a dois anos serão R$ 1,5 bilhão”, projetou.

Candidato à reeleição, Pedro Taques ainda defendeu as reformas feitas durante seu mandato, como as mini-reformas administrativas e a aprovação do Regime de Recuperação Fiscal, conhecido como PEC do Teto de Gastos, para diminuição dos gastos públicos.

Uma Reforma da Previdência nacional esteve na pauta do Congresso Nacional até o início deste ano, mas perdeu força na medida em que o Governo do Presidente Michel Temer (MDB) não conseguiu apoio para coloca-la em votação.

Leia mais

Taques diz que fluxo de caixa do Estado está cada dia melhor

Taques diz que respeita servidores, mas alerta para ajuste fiscal











(4) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Ganicus  05.09.18 10h53
Sei que agora o senhor Taques está sendo contraditório, ninguém aqui é besta kkkkkk, pizza vai ser para outro lado kkk.

Responder

0
0
Ana Dias  09.08.18 12h39
A culpa é sua que fez concurso e deu posse sem provisão financeira.

Responder

1
0
Ex-eleitor do Taques  08.08.18 16h27
Governador daqui as quatro meses se Deus quiser o senhor não será mais o Governador e portanto o problema não é seu...Pode deixar que os servidores juntamente com outro gestor saberão o que fazer...

Responder

18
4
clara  08.08.18 15h56
Indecente , quer achar um culpado pela sua incompetência ADM . anão palhaço pitoco !

Responder

12
3

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER