07.06.2019 | 14h20


PEDÁGIO DA MT-130

Sinfra apura propina e pode anular concessão à família de Nininho

De acordo com Silval Barbosa, o deputado teria pago R$ 7 milhões em propina para assumir a cobrança de pedágio na rodovia que liga Primavera do Leste à cidade de Poxoréu.


DA REDAÇÃO

A pedido da Procuradoria-Geral do Estado (PGE), o secretário de Estado de Infraestrutura e Logística (Sinfra) Marcelo Oliveira, o “Marcelo Padeiro”, instaurou dois processos administrativos para investigar suposta fraude no contrato licitatório vencido pela Concessionária Morro da Mesa, de propriedade da família do deputado Nininho (PSD), que resultou concessão de 122 km, da Rodovia MT-130, que liga Primavera do Leste à cidade de Poxoréu.

As medidas, publicadas no Diário Oficial do Estado, que circula nesta sexta-feira (07), podem anular o contrato entre o Governo e a empresa, firmado na gestão do ex-governador Silval Barbosa. A Portaria 105/2019 tem por objetivo “apurar a eventual existência de motivos a ensejar a nulidade do procedimento licitatório da Concorrência Pública nº 014/2009/SETPU, por suposta fraude e ofensa ao caráter competitivo do certame” e outra 106/2019 “a possível caducidade da concessão”.

Para atuar no caso, a Sinfra escalou uma comissão de servidores que irão apurar os fatos e as penalidades cabíveis.

Os processos foram abertos baseados delação de Silval Barbosa que afirmou ao Ministério Público Federal (MPF), que o deputado estadual Ondanir Bortolini, o Nininho (PSD), pagou propina de R$ 7 milhões para viabilizar a concessão e cobrança de pedágio na MT-130.

Aos procuradores da República, o ex-governador revelou que em 2011, Ondanir Bortolini e Eloi Bruneta o procuraram para assinatura do contrato administrativo de concessão da rodovia. Ocorre que, para a autorização da concessão e para viabilizar de cobrança de pedágio ocorreu o pagamento de propina, sendo que parte dos recursos teria sido repassada à Construtora Trípole para dissimular a origem, também propriedade de Nininho.

Os recursos pagaram dívida de Silval com Jurandir da Silva Vieira, que é um dos operadores financeiros investigados no âmbito da Operação Ararath.

Em janeiro passado, o promotor Clóvis de Almeida Júnior - coordenador do Núcleo de Ações de Competência Originárias (Naco Civil) – pediu que o contrato fosse suspenso com base no depoimento de Silval. O caso também é investigado pela Controladoria Geral do Estado (CGE).

Além dos processos administrativos à Justiça Federal apura criminalmente as denúncias.











(1) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

rogie  07.06.19 14h35
A CONTA NÃO BATE FAZ TEMPO!! SERVIDOR GANHANDO 5, 7, 8 MIL COM PADRÃO DE VIDA DE 15, 20 MIL!!! escola particular mensalidade 1500-2000, CRECHE DE 1200-1500 REAIS, escola de inglês, ESCOLA KUMOM, escolinha de futebol, BALLET, natação, FERIAS 2X POR ANO, 2-3 CARROS NA GARAGEM, casa na Chapada, CASA NOS RESIDENCIAIS HORIZONTAIS, camisa só de linho fino, MOTO GRANDE QUE MAU SABE USAR, um relógio por dia no pulso de 3-4 mil, ESPOSA DE BOLSA DE 3-4 MIL, academia, CELULAR IPHONE, foto na balada e eventos todo fds, SERVIDOR COM CNPJ PRESTANDO SERVIÇO PRA TODAS ESFERAS E PARTICIPANDO DE PREGÕES, mercado só Biglar, SALÃO DE BELEZA 1X POR SEMANA, perfumes caros, A CONTA NÃO FECHA! É geral! NO MUNICÍPIO, ESTADO, FEDERAL,TA NA HORA DESSE P.A.D. PARAR DE TER INFLUENCIA DO NEPOTISMO ENRAIZADA, a conta não fecha!! A CLASSE SERVIDORA TEM QUE COMEÇAR A DENUNCIAR A PRÓPRIA CLASSE, é muita gente em CARTÓRIOS, CONSELHOS, INSTITUTOS, CÂMARAS, AGÊNCIAS, PROCURADORIAS, ASSOCIAÇÕES, SINDICATOS, FEDERAÇÕES, FUNDAÇÕES, SECRETARIAS, EFETIVOS, COMISSIONADOS, CONTRATADOS costurando ESQUEMAS COM DIVERSAS EMPRESAS DE DIVERSAS ESFERAS vivendo um padrão de vida que NÃO FECHA A CONTA, tem que cortar na carne! DENUNCIAR OS PODRES, TA NA HORA DE EXPURGAR ESSE TIPO DE CIDADÃO QUE LEVA UMA VIDA QUE O SALARIO NÃO BATE, denunciar os pares, as empresas, todos envolvidos!

Responder

4
0
Matéria(s) relacionada(s):

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER