02.03.2017 | 08h50


COTÃO PARLAMENTAR

Senadores de MT 'torram' R$ 1,1 milhão e usam verba em gastos extravagantes

Entre os três senadores de Mato Grosso, Wellington Fagundes teve maior despesa declarada. Medeiros e Cidinho usaram verba em restaurantes requintados e hotéis luxuosos


DA REDAÇÃO

Os dados do Portal Transparência do Senado apontam que a bancada de Mato Grosso foi a sexta em uso da cota parlamentar, no ano de 2016, quando foram gastos R$ 1,1 milhão. Deste montante o senador Wellington Fagundes (PR) foi o que declarou maior despesa. Ele consumiu R$ 419.181 mil da verba parlamentar entre janeiro e dezembro de 2016.

Alugueis de salas avulsas, condomínio, e telefonia fixa e móvel consumiram mais de R$ 13.949,94. Despesas com consultoria para o exercício da atividade parlamentar consumiram outros R$ 15 mil do senador. 

Entre as despesas declaradas pelo republicano, constam cerca de R$ 6 mil em Correios, outros R$ 6 mil com combustível para avião próprio, táxis, aluguel de veículos, entre outros meios de transporte.

Logo depois de Wellington está o senador José Medeiros (PSD), que utilizou R$ 418,2 mil da verba, fora outros gastos como consumo de material, Correios, auxílio-moradia e pessoal.

Chamam a atenção gastos considerados extravagantes, apresentados por Medeiros, para custear hospedagens e refeições em luxuosos estabelecimentos de Cuiabá e em outros Estados como o Serra Azul Plaza Hotel, Hotel e Restaurante Casa Verde Ltda., Paludus Hotel, Peixaria Popopular, Portal do Xingú Business Eireli, Hotel Gran Odara e Manary Empreendimentos Turísticos do Nordeste Ltda consumiram R$ 34.173 mil da cota parlamentar.

Conforme o levantamento, Medeiros utilizou R$ 122, 6 mil em 2016 para custeio de divulgação. Em 2017, o consumo nos dois primeiros, com a mesma despesa, já chegaram a R$ 63 mil.

Só no mês de janeiro, Medeiros gastou R$ 990 com gasolina. No ano passado, ele consumiu cerca de 20 mil com o mesmo tipo de despesa. Outros R$ 17 mil foram declarados por ele como custeio de combustível de avião. Outros R$ 17.066,38 foram com passagens, adquiridas por meio de agencias de turismos.  

O senador Cidinho Santos (PR) não ficou atrás nos gastos da famosa cota parlamentar. Em 2016, o republicano usou R$ 232.399 mil da verba. Já nos dois primeiros meses de 2017 ele gastou R$ 20, 853 mil. Deste montante, R$ 8.414 mil foram destinados às empresas OI S.A. e Energisa Ltda.

Na relação de despesas de 2016, Cidinho utilizou R$ 7.522 mil somente com passagens aéreas, além de R$ 8.653 mil gastos com a mesma finalidade que não incluem somente o transporte do parlamentar, mas de assessores e terceiros.

No mês outubro o parlamentar consumiu R$ 14.227 mil com diárias em Kuala Lampur/Malasia, Nova Deli/Índia e Dubai/Emirados Árabes Unidos, durante missão oficial na Ásia para participar de reuniões com autoridades sanitárias. Vale lembrar que ele também foi para a China, onde ficou três dias e consumiu quase R$ 8 mil da cota parlamentar.

Outro lado

Por meio de nota, o senador José Medeiros afirmou que respeita o dinheiro público e usou a verba conforme as determinações. Ele também esclareceu que não tem outra renda.

A reportagem tentou contato para saber o posicionamento dos demais parlamentares, mas não obtece retorno.

Confira a nota na íntegra:

O senador José Medeiros (PSD) esclarece que a verba indenizatória foi usada exclusivamente no exercício da atividade parlamentar como determina a lei e a moralidade pública.

“Todas as despesas inerentes ao exercício do mandato de senador foram realizadas de forma transparente, sobretudo, pelo respeito que tenho com o dinheiro do contribuinte. Eu trabalho para o povo brasileiro e para fortalecimento do Estado de Mato Grosso."

Servidor público federal afastado, Medeiros não possui outra atividade econômica ou empresarial e a utilização da verba indenizatória faz-se necessária para o exercício do mandato parlamentar.

Ficha limpa e reconhecido nacionalmente com um dos melhores senadores do Congresso Nacional em função da sua atuação em defesa do país e do povo mato-grossense, José Medeiros defende ainda a transparência nos gastos dos parlamentares e faz um apelo para a sociedade acompanhar de perto o mandato de seus representantes. “Acredito no respeito ao bem público e no  trabalho comprometido para retomarmos o crescimento econômico e transformarmos o nosso país em um lugar com mais justiça social”.

Lais mais:

Federais de MT torraram mais de R$ 3 milhões em 2016; Ságuas lidera











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER