19.04.2019 | 09h22


PEDIU DESCULPA

Secretário de Cuiabá que criou auxílio para ele próprio reconhece erro e devolve R$ 31 mil

O secretário de Saúde de Cuiabá, Luiz Antônio Possas de Carvalho, admitiu que portaria que instituiu prêmio-saúde em benefício próprio era ilegal.


DA REDAÇÃO

O secretário interino de Saúde de Cuiabá, Luiz Antônio Possas de Carvalho, afirmou ter tomado conhecimento, na quinta-feira (18), por meio da Procuradoria do Município, que a Portaria assinada por ele, na qual garantia o direito ao recebimento do chamado “prêmio-saúde” não está em conformidade com o cargo de titular da Pasta.

Luiz Antônio Possas de Carvalho afirmou ainda que devolveu os R$ 31 mil recebidos irregularmente.

“Peço desculpas primeiramente à população cuiabana pela falha cometida e ao prefeito Emanuel Pinheiro que sempre me depositou total confiança e autonomia em meus atos”, finalizou o secretário.

“Quero aqui de coração aberto e consciência limpa dizer que ao ocorrer o erro pelo setor de Recursos Humanos da Secretaria de Saúde, respaldado por um entendimento jurídico, não houve dolo ou má-fé de minha parte. Tomarei as providências administrativas necessárias para que isso não volte a acontecer. Determinei imediatamente a suspensão do prêmio em minha folha de pagamento e estou devolvendo aos cofres públicos o valor correspondente aos quatro meses que recebi irregularmente o benefício”, afirmou Possas.

“Peço desculpas primeiramente à população cuiabana pela falha cometida e ao prefeito Emanuel Pinheiro que sempre me depositou total confiança e autonomia em meus atos”, finalizou o secretário.

O caso veio a público depois que vereadores da oposição protocolaram denúncia no Tribunal de Contas do Estado (TCE), no último dia 10, na qual acusavam o secretário de Saúde de instituir prêmio-saúde de R$ 7,8 mil em benefício próprio. Na representação, os parlamentares pediram ainda que o gestor seja obrigado a devolver aos cofres públicos cerca de R$ 31 mil, pagos pela prefeitura. 

O documento foi assinado pelos vereadores Marcelo Bussiki (PSB), Felipe Wellaton (PV), Abilio Júnior (PSC), Diego Guimarães (PP) e Dilemário Alencar (Pros).

Eles afirmaram ao TCE que o prêmio-saúde foi instituído através de uma portaria nº006/2019 na qual o próprio secretário cria o benefício para ele mesmo, no valor mensal de R$ 7,8 mil, em janeiro deste ano, com efeitos retroativos a dezembro passado, quando Luiz Antonio assumiu a pasta após a saída de Huark Douglas – clique aqui e veja mais aqui.

Prêmio-Saúde

O auxílio foi instituído pelo artigo 54 da Lei Complementar Municipal nº 094 de 03 de julho de 2003. O benefício é um incentivo financeiro ao servidor/gestor e que tem como meta a melhoria do índice de satisfação do usuário do Sistema Único de Saúde.

Leia mais:

Secretário admite pagamento extra como verba indenizatória por acúmulo de cargo











(2) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Valter Nunes  21.04.19 10h05
Que Ridículo.....! 🤷🏽‍♂️

Responder

6
0
MARIA TAQUARA  19.04.19 11h59
tem que ficar de olho nesse senhor enquanto ele ocupar cargo público, já deixou bem claro que se puder ele mete mão em grana indevida

Responder

14
0
De olho em Mauro mendes  20.04.19 08h53
O correto seria demitir esse cidadão honroso. Mas, Emanuel do paletó já está queimado demais para se queimar mais . Pode ter certeza que Emanuel sabe . Pessoas morrendo e ele desviando dinheiro .

Responder

8
0
Matéria(s) relacionada(s):

Enquete

R$ 65 MILHÕES

Você é a favor ou contra o corte de Bolsonaro no orçamento da UFMT e IFMT?

Sim, só produzem baderna

Não, vai piorar o nível dos cursos

Sim, a maior parte do gasto é com altos salários de servidores

Não, deveria aumentar os investimentos

  • Parcial

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER