10.06.2019 | 11h44


OUÇA O ÁUDIO

Riva diz ao MPF que ia para o TCE quem tinha mais dinheiro para a vaga

A gravação faz parte do depoimento dado a procuradora da Republica Vanessa Cristina sobre a indicação de Sérgio Ricardo ao cargo de conselheiro.



Em depoimento ao Ministério Público Federal (MPF), o ex-deputado estadual José Geraldo Riva revelou que para disputar uma vaga de conselheiro no Tribunal de Contas do Estado (TCE) seria necessário ter “dinheiro” para negociar a indicação.

A fala consta em um áudio, que traz trecho do depoimento de Riva à procuradora Vanessa Cristina, do MPF, sobre como aconteceu a indicação e efetivação do conselheiro Sérgio Ricardo, atualmente afastado do cargo. A gravação foi divulgada pelo site Gazeta Digital.

"Isso é muito claro lá no colegiado [Assembleia]. Se falava assim: Você tem dinheiro? Não. Lá [no TCE] vai precisar tanto. Ce tem? Não. Então eu vou providenciar. Então quem providenciava mais [recursos] ia [para o TCE]. Isso não foi só com o Sérgio [Ricardo]. Em outros momentos eu creio que funcionou assim. Mas especialmente nessa do Sérgio foi assim", confessou José Riva, que à época era presidente da Assembleia Legislativa.

"Isso não foi só com o Sérgio [Ricardo]. Em outros momentos eu creio que funcionou assim. Mas especialmente nessa do Sérgio foi assim", confessou José Riva.

O ex-deputado explicou ainda que apesar de Sérgio Ricardo assumir a vaga apenas em 2012, as tratativas começaram durante a disputa da Mesa Diretora em 2008.

“Exatamente na Mesa Diretora foi definido o suplente do Sérgio com essa proposta. Sérgio: ‘Olha, eu vou sair, que ir para o Tribunal de Contas e quero o compromisso de vocês’. Foi em cima dessa conversa que foi indicado o vice-presidente”, conta.

Naquele período, o vice-presidente da Assembleia foi Dilceu Dal Bosco, irmão do deputado estadual Dilmar Dal Bosco (DEM) e Riva o secretário-geral. No entanto, a efetivação de Sérgio Ricardo, como conselheiro, ocorreu apenas em 2012, quando Riva era presidente do Poder Legislativo e Dilceu o 2º secretário.

Vaga de R$ 15 milhões

Ainda em depoimento ao MPF, José Riva afirmou à Justiça Federal que a compra de vaga no TCE custou R$ 15 milhões e teve o aval do ex-governador e ex-ministro Blairo Maggi (PP).

A declaração faz parte do reinterrogatório do ex-deputado realizado em março deste ano, quando Riva passou à condição de colaborador unilateral da ação penal. Veja mais aqui

 











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER