27.02.2017 | 14h00


IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA

Prefeito de Alto Taquari tem mandato e direitos políticos cassados por fraude em licitação

Consta na ação civil movida pelo Ministério Público que, em 2007, Lairto Sperandio, que já era prefeito, fez pagamentos antecipados à empresa, entes mesmo da licitação.



O prefeito de Alto Taquari (490 Km a Noroeste de Cuiabá), Lairto João Sperandio (DEM), foi condenado a perda da função pública. A Justiça julgou procedente ação civil pública proposta pelo Ministério Público Estadual (MPE), que o acusava de improbidade administrativa.

Além da cassação do mandato, o gestor teve seus direitos políticos suspensos pelo prazo de cinco anos e terá que pagar ao município, a título de multa civil, o valor correspondente a 100 vezes a remuneração mensal que recebia à época dos fatos, ocorridos em 2007.

Conforme a sentença, o prefeito também está proibido de contratar com o poder público ou receber benefícios fiscais, direta ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário, pelo prazo de três anos. A decisão é passível de recurso.

Segundo o Ministério Público, a condenação refere-se a fatos ocorridos no ano de 2007, quando Sperandio também estava à frente da Prefeitura. Na ocasião, o município firmou contrato com a empresa M.A Fortes Vano – ME relativo à construção do centro de convivência do idoso. Ocorre que apenas parte dos serviços foi licitada, o que caracterizou fragmentação de despesa e dispensa de licitação sem amparo legal.

Consta nos autos que a construção do centro custou R$ 99, 3 mil dois quais apenas R$ 84,3 mil foram licitados. Os R$ 15 mil restantes não foram objeto de licitação. Na sentença, o juiz Pedro Flory Diniz Nogueira  ressaltou que ficou evidente a intenção do gestor em mascarar a ilegalidade da fragmentação.

“Ora, o dolo é claro, porquanto se mudou a classificação da despesa para que não fosse percebida a fragmentação da licitação. Tal fato não se confunde com mera distração ou erro material, ao revés, configura nítido dolo em afrontar os princípios da administração pública”, destacou o magistrado.

Foi comprovado ainda, conforme o MPE, que o gestor realizou pagamentos antecipados à empresa M.A  Fontes Vano. Dois cheques foram emitidos antes mesmo do julgamento do certame e adjudicação do serviço licitado.

“A inobservância das regras da legalidade e moralidade dos atos do gestor da coisa pública, independente do valor nominal do patrimônio agredido ou dilapidado, faz gerar na sociedade prejuízo incalculável, criando a presunção de que qualquer cidadão poderá, também, desrespeitar as leis vigentes, porque o contribuinte é inspirado no modelo apresentado pelo prefeito”, destacou o magistrado, em um trecho da sentença.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER