15.03.2019 | 18h42


CHEGAVA A R$ 30 MIL

Permínio recebia complemento de salário pago por Alan Malouf

O dono do Buffet Leila Malouf fez delação no ano passado, acusando Pedro Taques de caixa 2 e omitiu a informação dada hoje por Permínio.


DA REDAÇÃO

Em depoimento à juíza Ana Cristina da Silva Mendes, da Sétima Vara Criminal de Cuiabá, na tarde desta sexta-feira (15), o ex-secretário de Educação Permínio Pinto – delator da Operação Rêmora - evitou citar o nome do ex-governador Pedro Taques (PSDB) e vários assuntos relacionados ao esquema de corrupção montado para fraudar licitações de obras da Seduc (Secretaria de Estado de Educação) na gestão Pedro Taques (PSDB).

Permínio alegou ter muito a falar, mas devido ao seu acordo de delação premiada, que está sob sigilo por determinação do Supremo Tribunal Federal (STF), não poderia citar alguns nomes e detalhar como funcionava de fato o esquema. No entanto, o ex-secretário revelou que seu salário oficial era de apenas R$ 13 mil, mas que chegava a R$ 30 mil devido ao pagamento, por fora, que recebia para ajudar no esquema de corrupção. Valor bem acima do salário do governador, hoje de R$ 21 mil. 

O dono do Buffet Leila Malouf fez delação no ano passado, acusando Pedro Taques de caixa 2  e omitiu a informação dada hoje por Permínio

“Ele [Alan Malouf] poderia, assim como faria para outros secretários, fazer complementação salarial para mim e sugeriu um montante de R$ 20 mil para que, se somados ao que eu ganhava, chegasse aos R$ 30 mil”, confessou Permínio.

À magistrada, o ex-secretário revelou que em janeiro de 2015 – logo após assumir o cargo de secretário – foi chamado pelo empresário Alan Malouf – dono do Buffet Leila Malouf e amigo de Taques – para uma reunião.

No encontro, segundo Permínio, Malouf falou sobre o investimento que fez do próprio bolso na campanha de Pedro Taques, via caixa 2, e que precisava receber o valor. Além disso, destacou a dificuldade que o Governo tucano teve para encontrar interessados para compor a equipe de secretariado “devido ao baixo salário” pago pela Administração Estadual, à época R$ 13 mil líquidos.

Para conseguir recuperar os valores investidos na campanha e pagar uma complementação de salários, por fora, para alguns secretários, o delator afirma que Malouf sugeriu montar uma “equipe”, com pessoas de dentro e fora do Governo, para fraudar contratos de obras da Seduc.

“Disse para mim que houve uma série de dificuldades na composição do secretariado pelo salário ser muito baixo, pois tinha pasta, como a Educação, com o orçamento de R$ 1, 5 bilhão e salário de R$ 13 mil. Mas que ele poderia, assim como faria para outros secretários, fazer complementação salarial pra mim e sugeriu um montante de R$ 20 mil para que, se somados ao que ganhava, chegasse aos R$ 30 mil”, confessou Permínio.

Após aceitar a proposta, Malouf apresentou Giovani Guizardi, dono da Construtora Dínamo, a Permínio. Guizardi foi o responsável por cooptar empresários para fraudar contratos de reformas de escolas no Estado.

Delação de Malouf

Em sua colaboração premiada, Alan Malouf contou à Procuradoria Geral da República (PGR) que os ex-secretários estaduais Paulo Brustolin (Fazenda) e Júlio Modesto (Gestão) recebiam esse complemento salarial para participar do staff do então governador Pedro Taques.

Juntos, eles receberam cerca de R$ 1,7 milhão a mais para que assumissem as pastas. Veja aqui.

Leia mais:

Malouf revela que Taques manteve esquema de corrupção do Governo Silval

Taques e Leitão são acusados de corrupção em delação de Alan Malouf

 











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Matéria(s) relacionada(s):

Enquete

R$ 65 MILHÕES

Você é a favor ou contra o corte de Bolsonaro no orçamento da UFMT e IFMT?

Sim, só produzem baderna

Não, vai piorar o nível dos cursos

Sim, a maior parte do gasto é com altos salários de servidores

Não, deveria aumentar os investimentos

  • Parcial

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER