08.02.2019 | 15h00


SUPOSTO CAIXA 2

MPF quer punição para quem vazar dados do processo contra Selma Arruda

Selma foi a senadora mais votada com 678.542 votos; Jayme Campos (DEM), alcançou 490.699 votos e Carlos Fávaro, maior interessado em cassar Selma, teve 434.972 votos.


DA REDAÇÃO

O Ministério Público Federal (MPF) pediu à Corregedoria do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) severas punições para quem vazar dados do processo contra a senadora Selma Arruda (PSL), investigada por suspeita de ‘caixa 2’ na campanha de 2018. Segundo o MPF, dois veículos de imprensa de Mato Grosso teriam se utilizado de dados manipulados lado a lado com o símbolo do MPF.

No entanto, o procurador ressalta que há uma desinformação nas matérias que citam um suposto pagamento de R$ 120 mil feitos por Gilberto Possamai (PSL) a empresa KGM. Quando, na verdade, o valor, segundo a manifestação do MPF, diz respeito ao total usado por Possamai no período investigado.

“O que se evidencia, em grande verdade, é a manifestação de um interesse sub-reptício de expor a todo custo os requeridos desta demanda e, por consequência, gerar

É preciso que as pessoas, as partes envolvidas no processo, que vazaram essas informações, sejam responsabilizadas e punidas. Isso é facilmente detectado, inclusive o sistema marca data e hora de quem acessou essas informações, diz Selma

clamor popular que venha a influenciar o Juízo”, destaca o MPF na manifestação protocolada em 31 de janeiro e obtida pelo .

O procurador eleitoral Pedro Melo Pouchain Ribeiro é o autor da manifestação e, nela, destaca que é dever do MPF resguardar dados sigilosos das partes no processo e cita que a quantia movimentada é alta e precisa ter segurança jurídica para expor os dados financeiros que são sigilosos.

Diante do vazamento e manipulação dos dados com a prática do “copiar e colar” para constar a logomarca do MPF ele pediu que todas as partes do processo, no caso Selma, Possamai e Carlos Fávaro (PSD) fossem notificados e com possibilidade de punição aos envolvidos com multa de acordo compatível com a gravidade dos fatos.

Questionada pelo sobre os vazamentos de dados, Selma defendeu a responsabilização e punição dos envolvidos. "É preciso que as pessoas, as partes envolvidas no processo, que vazaram essas informações, sejam responsabilizadas e punidas. Isso é facilmente detectado, inclusive o sistema marca data e hora de quem acessou essas informações e, posteriormente, vazou. O único intuito foi manipular a sociedade, causando prejuízo a minha imagem, vida pessoal, profissional e financeira. Isso precisa ter um limite. Precisa acabar [e só acaba] com punições severas", disse. 

Fávaro tenta a condenação de Selma pela prática de caixa 2 no processo. Ele ficou em terceiro lugar na disputa ao Senado Federal por Mato Grosso. Selma foi a senadora mais votada com 678.542 votos, enquanto Fávaro teve 434.972. O segundo lugar ficou com o senador Jayme Campos (DEM), que alcançou 490.699 votos no pleito ele foi o parceiro da chapa de Mauro Mendes e Carlos Fávaro. 

 











(1) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

MARIA TAQUARA  08.02.19 22h35
to torcendo para o FAVARO assumir, nao gosto da SELMA

Responder

0
2
Matéria(s) relacionada(s):

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER