22.04.2019 | 07h00


DINHEIRO DO FETHAB

Mauro: impossível investir em estrada com gente morrendo nos hospitais

Declaração foi resposta a críticos descontentes com a taxação do agro e como o dinheiro usado para despesas da saúde.


DA REDAÇÃO

O governador Mauro Mendes (DEM) sinalizou que ainda não há previsão de quando o Estado vai destinar 100% dos recursos arrecadados pelo novo Fundo Estadual de Transporte e Habitação (Fethab), finalidade para qual o projeto foi criado, sem 'desviar' para necessidades urgentes.

Durante visita a Feira Agroindustrial Norte Show 2019, na última terça-feira (16), em Sinop (500 km de Cuiabá), o governador explicou que é impossível não aplicar parte da arrecadação do Fethab na saúde, em um momento tão delicado financeiramente. O democrata citou vários problemas na estrutura dos hospitais regionais para justificar seu posicionamento, como falta de remédios, médicos e atraso de repasses aos municípios.

“A lei que nós fizemos, pela primeira vez ao longo dos últimos anos, garante 30% desse recurso exclusivamente para a infraestrutura. Nos próximos anos isso vai mudar e chegar a 60%. Porém, neste momento é impossível porque nós temos gente morrendo por falta de remédio, falta de pagamento dos servidores, de médicos e tantas outras demandas. É o momento de reconstruir o Estado e todos precisam colaborar”, argumentou Mauro.

"Neste momento é impossível porque nós temos gente morrendo por falta de remédio, falta de pagamento dos servidores, de médicos e tantas outras demandas. É o momento de reconstruir o Estado e todos precisam colaborar", argumentou o governador.

Ele argumenta que o caos na saúde pública de Mato Grosso ocorre por equívocos de gestões anteriores.

“Precisaremos tomar medidas necessárias para colocar Mato Grosso novamente no curso do desenvolvimento”, declarou.

Em relação à reclamação dos produtores rurais, descontentes com o novo Fethab e com a forma em que está sendo usado o dinheiro, o governador destacou que precisa olhar para o Estado e não apenas para uma parte.

“Precisaremos tomar medidas necessárias para colocar Mato Grosso novamente no curso do desenvolvimento”, declarou Mauro.

“Fizemos essa taxação no agronegócio por absoluta necessidade e pelo momento que vive Mato Grosso. Como cidadão, não gostaria de ter feito isso, mas sou governador e não posso olhar apenas para a árvore e sim para toda a floresta. Preciso olhar para a saúde, infraestrutura, educação e para os enormes problemas que herdamos. É lamentável, mas eu tenho dito, todos terão que contribuir para ajudar a tirar Mato Grosso do buraco que nos meteram”, respondeu.

A previsão é que o novo Fundo Estadual de Transporte e Habitação arrecade até o fim deste ano cerca de R$ 1,5 bilhão, o que representa um acréscimo de R$ 450 milhões (30% do total arrecadado) à Secretaria de Infraestrutura para investimentos na manutenção das rodovias estaduais, outros 10% dos recursos repassados ao MT PAR, enquanto o restante (60%) será aplicado nas áreas de saúde, educação, segurança pública e assistência social.

 

Leia mais:

Ministra da Agricultura diz que novo Fethab é medida drástica, mas necessária

 











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Matéria(s) relacionada(s):

Enquete

R$ 65 MILHÕES

Você é a favor ou contra o corte de Bolsonaro no orçamento da UFMT e IFMT?

Sim, só produzem baderna

Não, vai piorar o nível dos cursos

Sim, a maior parte do gasto é com altos salários de servidores

Não, deveria aumentar os investimentos

  • Parcial

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER