16.04.2018 | 07h00


BANK OF AMERICA

Governo tenta renegociar dívida de R$ 1 bilhão até agosto

A tentativa do Estado é de que a dívida, que alcança o montante de U$ 400 milhões, seja “comprada” pelo Banco Mundial, que passará a ser o credor de Mato Grosso.


DA REDAÇÃO

O secretário estadual de Fazenda, Rogério Gallo, informou que o Governo ainda busca a renegociação da dívida dolarizada com o Bank of America, porém, o prazo máximo é o mês de agosto, uma vez que a segunda parcela de 2018 deve ser paga em setembro.

“Diria que estamos em 50% da renegociação, que é o caminho mais complicado, pois o prazo é muito curto para uma operação de crédito dessa complexidade. Envolve a aprovação pelo comitê do Bank of America, pela Secretaria Nacional do Tesouro e do Senado Federal”, explicou Gallo.

“Diria que estamos em 50% da renegociação, que é o caminho mais complicado, pois o prazo é muito curto para uma operação de crédito dessa complexidade. Envolve a aprovação pelo comitê do Bank of America, pela Secretaria Nacional do Tesouro (STN) e do Senado Federal”, explicou Gallo.

A tentativa do Estado é de que a dívida, que alcança o montante de U$ 400 milhões, seja “comprada” pelo Banco Mundial, que passará a ser o credor de Mato Grosso. A operação é tratada como prioridade para que os benefícios da negociação já sejam válidos na parcela de setembro.

O Governo pagou R$ 117,8 milhões, em março, totalizando o montante de R$ 956,8 milhões, em nove parcelas já quitadas da dívida.

Segundo o secretário, em moeda brasileira o débito chega a R$ 1 bilhão, porém, com o benefício da renegociação, ficaria R$ 150 milhões mais barato. O Estado teria 30 anos para quitar o empréstimo, com juros de 1,5% ao ano.

“A redução dos juros e encargos é importante nesse momento em que estamos trabalhando o realinhamento fiscal de Mato Grosso. É prioridade máxima fazer essa renegociação”, pontuou Gallo.

O empréstimo junto ao Bank of America foi contraído para que o Governo pudesse tocar as obras da Copa do Mundo de 2014. Uma das medidas exigidas para a renegociação foi o não pagamento da Revisão Geral Anual (RGA) dos servidores públicos estaduais.











(2) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Carlos Nunes  16.04.18 14h25
Traduzindo em miúdos pra gente entender, senão a gente não entende bulhufas...esse Governo, com o caixa vazio, sem condições de pagar a conta desse Banco...quer jogar o pepino pros próximos governos. Quanto mais demorar pra pagar, mais a dívida aumenta. Aí, o próximo Governador vai reclamar pra burro disso...vai dizer: tá assim por culpa do Taques, que não pagou as parcelas. Vai ser uma choradeira danada. Banco não perdoa dívida, ou perdoa? Claro que não. O incrível dessa estória trágica, é que esse mesmo governo, esteve próximo de emprestar da Caixa Econômica, mais 1 BILHÃO DE REAIS pra torrar no fantasma do Silval - o VLT, o que ia aumentar mais o endividamento do Estado. Fomos salvos pelo Santo Arapiraca, que impediu isso. Senão era mais 1 BI pra nós pagarmos NA MARRA, pois o Governo passa, mas a dívida fica pra nós pagarmos as parcelas. No final seremos nós que pagaremos essa conta...sem choro nem vela.

Responder

1
0
Lúcio  16.04.18 10h40
Governo incompetente. Com 25,5 bilhões não conseguiu quitar uma dívida de 1 bilhão deixada pelo antecessor. Silval tinha uma receita de 12 bilhões e apesar de toda corrupção pagava os fornecedores e servidores em dia é ainda quitou dívidas deixadas por Blairo Maggi. Taques vai arrolar essa dívida, vai deixar 1,3 bilhão de dívidas com fornecedores, dívidas com os Poderes. Enfim, vai deixar um estado quebrado.

Responder

0
0

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER