08.01.2019 | 14h00


ESCALONAMENTO DE SALÁRIOS

Governo quer diálogo para evitar greve e apresenta dívida de R$ 2 bilhões a servidores

Reunião foi solicitada pelos sindicatos depois que o Governo anunciou o parcelamento do 13º restante de 2018 e o escalonamento dos salários de dezembro.



O governador Mauro Mendes (DEM) recebeu na noite desta sexta-feira (07) dirigentes do Fórum Sindical com o intuito de apresentar as contas do Executivo, e tratar do escalonamento dos salários dos servidores, que foi anunciado na última sexta-feira.

O encontro, já no quarto dia de mandato, marca o início do diálogo do Governo com os servidores públicos em busca de soluções para que o Estado supere as dívidas acumuladas nas gestões passadas.

"O tipo de relação que pretendo manter com os servidores, e com o cidadão, é um diálogo franco, verdadeiro e honesto. Respeito a importância que os mais de 70 mil trabalhadores têm na missão de recuperar as contas, por isso, adianto que também estamos estreitando a para negociação do duodécimo com os Poderes, e, principalmente, no combate à sonegação fiscal", esclareceu o chefe do Executivo.

Conforme Mendes, há um grande desequilíbrio nas contas do Estado, situação que precisa ser enfrentada. O escalonamento apresentado foi a opção viável de pagamento dos salários e do décimo terceiro do funcionalismo, medida esta elaborada por uma equipe técnica composta de servidores de carreira do Tesouro estadual.

O chefe da Casa Civil, Mauro Carvalho, também pontuou que a reunião é um passo importante para estabelecer uma relação de proximidade com os servidores, que movem a máquina pública. Ele pediu a colaboração dos servidores para que cada um faça a sua parte, e possa ter, já no segundo semestre, uma situação mais favorável do que a atual.

“Salário é uma coisa sagrada, e respeitamos isso. Temos focado tanto na parte das despesas, quanto na receita. Atacamos de todos os lados para trazer uma solução o mais rápido possível para o funcionalismo público”, ressaltou.

“Salário é uma coisa sagrada, e respeitamos isso. Temos focado tanto na parte das despesas, quanto na receita. Atacamos de todos os lados para trazer uma solução o mais rápido possível para o funcionalismo público”, ressaltou Mauro Mendes.

De acordo com o coordenador do Fórum Sindical, entidade que representa a maioria das carreiras públicas do Estado, Oscarlino Alves, os dirigentes sindicais vieram para ouvir o governo e levar informações para as bases. Ele reforçou que o diálogo com o governo foi aberto e respeitoso. 

“Considero esse momento como muito importante porque a gente traz a nossa realidade e sensibilidade. Sabemos que essa situação não aconteceu abruptamente agora, ela vem arrastada do governo anterior. Trouxemos a nossa preocupação e as nossas expectativas buscando um entendimento”, ponderou o líder sindical.

Contas públicas

Na reunião, foram apresentados relatórios técnicos que apontam a dívida de aproximadamente R$ 2 bilhões, agravada pelo não repasse por parte do Governo Federal do Auxílio Financeiro de Fomento às Exportações (FEX), no ano passado, e a arrecadação abaixo do esperado.

“A partir de agora vamos demonstrar de forma muito transparente o nosso fluxo de caixa diário, e o que temos feito em relação ao manejo dos recursos públicos”, assegurou o secretário de Estado de Fazenda, Rogério Gallo.

Estiveram presentes também o secretário de Estado de Gestão, Basílio Bezerra, e os deputados estaduais Dilmar Dal Bosco - líder do governo na Assembleia Legislativa, Elizeu Nascimento, e João Batista.

Escalonamento

Na última sexta-feira (04), o governo anunciou o escalonamento dos salários dos servidores e o parcelamento do 13º. De acordo com o Executivo, após análise das contas do Estado, a decisão foi divulgar o calendário de pagamento o quanto antes para adotar uma postura transparente com os servidores, no intuito de que todos pudessem se organizar com antecedência.

O pagamento dos salários de dezembro de 2018 de todos os servidores inativos, e ativos que recebem até R$ 4.000,00 líquidos e seus pensionistas receberão no dia 10 de janeiro; servidores que recebem até R$ 6.000,00 líquidos, receberão dia 24 de janeiro; e os demais terão os salários pagos no dia 30.

Já os valores do décimo terceiro salário, remanescentes de 2018, serão pagos em quatro parcelas, previstas para os dias 31 de janeiro, 28 de fevereiro, 31 de março, e 30 de abril de 2019. Os décimos do ano de 2019 serão pagos no mês de dezembro aos servidores, e não mais no mês de aniversário.











(3) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Severo  10.01.19 00h52
Se o Mauro Mendes insistir em patrolar a assembleia eleita em outubro, procurando a todo custo aprovar projetos questionáveis ao apagar das luzes pode perder o controle da assembleia legislativa que de repente pode abrir uma CPI sobre suas parcerias com o ex-governador Silval Barbosa e outras situações frente a prefeitura de Cuiabá. Abra o olho Mauro Mendes.

Responder

0
0
Prof Pedro  08.01.19 16h04
Pergunta que não quer se calar. O procedimento de salário escalonado serve para todos os poderes ou só pro executivo? Deputados MPE, TCe, judiciário tb vão ter o mesmo procedimento?

Responder

1
0
Pardal  08.01.19 14h33
Pelo que estudei todo gestor de focar na Receita liquida, receita operacional , para depois ver a liquidez das contas, e buscar a produtividade e rentabilidade financeira, porque se você centra ou foca na despesa, a coisa não anda, governador. Temos que trabalhar no verde, no superavit, e não no amarelo ou vermelho. Já estou ficando preocupado com a sua Gestão governamental.

Responder

4
0
Matéria(s) relacionada(s):

Enquete

GESTÃO

Como você define o governo de Mauro Mendes, até agora?

Excelente: MT foi destruído por governos anteriores

Bom: Está enfrentando problemss que ninguém quis enfrentar

Ruim: Não faz reformas de verdade e culpa o servidor

Péssimo: Vai conseguir ser pior que Silval e Taques

  • Parcial

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER