06.12.2018 | 09h00


FICHA SUJA

Gilmar Fabris fica inelegível e deve perder vaga de deputado na Assembleia

Ministros seguiram o relator, Admar Gonzaga, que votou para que o parlamentar continuasse inelegível.


DA REDAÇÃO

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE), por unanimidade, manteve o deputado estadual Gilmar Fabris inelegível. Durante sessão extraordinária na noite de quarta-feira (06), o tribunal negou um pedido feito pela defesa do deputado para revogar uma decisão do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), que impugnou a candidatura de Fabris com base na Lei da Ficha Limpa.

O parlamentar foi condenado na esfera criminal pelo Tribunal de Justiça de Mato Grosso, órgão colegiado de segunda instância. A pena de seis anos e oito meses de prisão incluía a perda dos direitos políticos.

O ministro Admar Gonzaga, relator do pedido de Fabris no TSE, votou por manter Fabris enquadrado na Lei da Ficha Limpa e negar que fossem contabilizados os 22.913 votos recebidos por ele nas eleições deste ano. Assim, o deputado Allan Kardec (PDT) deve manter sua cadeira na Assembleia Legislativa. Os ministros Tarcisio Vieira de Carvalho Neto, Luís Roberto Barroso, Luiz Edson Fachin, Jorge Mussi, Og Fernandes, e a presidente do TSE, Rosa Weber, seguiram o voto do relator.

No julgamento de ontem, o vice-procurador-eleitoral, Humberto Jacques de Medeiros, argumentou que, caso o TSE permitisse que fabris ocupasse o cargo pelos próximos quatro anos mesmo condenado em segunda instância, ele estaria fora do alcance da legislação eleitoral.

“É por demasia desconexa a solução que se busca. Ainda mais porque, se aceitasse a tese do candidato, ele estará fora do alcance da legislação eleitoral. Porque aqui não possível, e o tribunal sede também não será. E aí, sim, teremos alguém apenado, cumprindo pena e exercitando o mandato. Todos nós sabemos essa realidade e estamos nos auto-limitando de uma maneira tal que põe por terra o sistema recursal, exagera na capacidade das instâncias ordinárias ditarem soluções à Justiça Eleitoral. Esse caso desafia a consistência do sistema eleitoral”, disse em seu parecer, lido em plenário.

A condenação

O deputado Gilmar Fabris tentava reverter a condenação dada a ele pelo Tribunal de Justiça em uma ação oriunda da Operação Arca de Noé. Fabris foi condenado por desvios de R$ 1,5 milhão enquanto era presidente da Assembleia, entre 1995 e 1996. A denúncia só foi oferecida junto ao Tribunal de Justiça em 2010 e, por isso, a defesa do deputado argumentava que a possibilidade de punição contra ele estaria prescrita.

No caso investigado pelo Ministério Público Estadual (MPE), Gilmar Fabris o ex-deputado José Riva, então primeiro secretário do Parlamento, teriam utilizado a empresa de fachada Madeireira Parnorte Parasul para desviar recursos. Pelo menos 22 cheques com assinatura de Fabris foram utilizados no esquema.











(2) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

benedito costa  06.12.18 17h40
Perder vaga não. Ele não se elegeu e agora cabe a ele ficar fazendo lóbi no governo que se aproxima.

Responder

0
0
Sabrina Aiko  06.12.18 10h32
teste teste

Responder

3
0

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER