14.06.2017 | 16h00


A GRANDE QUADRILHA

Fiança paga por Silval é 2.200% maior que patrimônio declarado em 2010

Na declaração que o ex-governador fez à Justiça Eleitoral, em 2010, seu patrimônio não chegava nem perto dos bens que foram entregues à Justiça, no acordo de fiança para tirá-lo da prisão.


DA REDAÇÃO

Conforme apuração feita pelo , comparando a declaração de bens apresentada pelo ex-governador Silval Barbosa (PMDB), à Justiça Eleitoral, em 2010, quando foi candidato ao Governo do Estado, para oferecer quase R$ 47 milhões em troca de sua prisão domiciliar, seu patrimônio cresceu em sete anos ao menos 2,2 mil por cento. 

Antes de se tornar governador, o peemedebista apresentou bens que somavam R$ 2 milhões. 

Esta semana, o ex-governador que estava preso desde o dia 17 de setembro de 2015, quando foi deflagrada a Operação Sodoma, em acordo com a Justiça, confessou crimes e disponibilizou para bloqueio, na 7ª Vara Criminal de Cuiabá, quase R$ 47 milhões em bens, como duas Fazendas - denominadas Serra Dourada 1 e 2 - localizadas no município de Peixoto de Azevedo, nos valores de R$ 4 milhões e 33 milhões, respectivamente, além de um imóvel localizado em Cuiabá, avaliado em R$ 1 milhão, entre outros. Em 2005, então deputado estadual, declarou R$ 550 mil em bens.

Em contrapartida, a juíza Selma Rosane Arruda reverteu na tarde de terça-feira (13) a prisão preventiva do ex-chefe Executivo estadual em prisão domiciliar. Silval estava preso há quase dois anos no Centro de Custódia de Cuiabá (CCC), acusado de liderar um esquema de corrupção no período em que esteve à frente do Governo do Estado. 

Bens declarados em 2010

De acordo com dados da Justiça Eleitoral, há sete anos constavam na declaração do ex-governador um título no Piscina Clube de Matupá (avaliado R$ 1,8 milhão), um lote no valor (de R$ 6,5 mil), uma aeronave (de R$ 500 mil), duas casas em alvenaria (R$ 29,7 mil e R$ 55,2 mil, respectivamente), poupança durante o ano ( R$ 80 mil), Brasil Prev (R$ 214,2 mil), um apartamentos (R$ 50 mil), além de saldo no Banco do Brasil (de R$ 144 mil) e um propriedade rural (no valor de R$ 600 mil). 

Decisão

Segundo a magistrada, além dos bens bloqueados, outros pontos motivaram a Justiça a autorizar prisão domiciliar, com uso de tornozeleira eletrônica, ao ex-governador.

“O réu explica que em razão de sua nova postura defensiva e de boatos de que estaria negociando colaboração premiada tem se sentido inseguro no interior do cárcere, já que tem sido pressionado por pessoas as quais se compromete a identificar futuramente, que temem ser citadas em eventual celebração de acordo de colaboração premiada”, diz trecho da decisão.

 

Galeria de Fotos:
Credito: RpMT/Reprodução
Credito: RpMT/Reprodução










(2) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Carlito  15.06.17 09h52
Muda o governo e os esquemas são os mesmos, aqueles que criticavam os desvios do VLT no governo Silval são os mesmos que hoje defendem a continuidade da obra com a mesma empresa.

Responder

2
0
Damasceno  14.06.17 17h20
Enquanto isso os responsáveis pela fraude milionária da seduc nem preso ficaram. Se acaso a prisão cautelar tivesse sido mantida os mentores ligados ao atual governo também teriam caído.

Responder

5
1

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER