04.12.2017 | 15h23


CRISE FINANCEIRA

Estado deve escalonar salários de servidores até dia 20 de dezembro

O secretário de Fazenda, Gustavo Oliveira, disse que o Executivo terá certeza da necessidade de escalonamento até o fim da semana.


DA REDAÇÃO

Os salários dos servidores estaduais devem ser escalonados novamente em dezembro. A afirmação é do secretário de Fazenda, Gustavo Oliveira, que disse ser esse cenário econômico do Estado, caso não haja a liberação dos recursos do Auxílio Financeiro de Fomento às Exportações (FEX) pelo Governo Federal.

“Se não sair o FEX nesta semana e a receita se comportar como no mês passado, a tendência é de que seja muito parecido com o que aconteceu em novembro. Paga-se uma parte e faz-se o escalonamento do restante”, disse Gustavo Oliveira.

Segundo ele, o Executivo terá certeza da necessidade de escalonamento até o fim da semana. Gustavo pontuou que a programação do Tesouro estadual é pelo pagamento da folha até o dia 20 de dezembro.

“Se não sair o FEX nesta semana e a receita se comportar como no mês passado, a tendência é de que seja muito parecido com o que aconteceu em novembro. Paga-se uma parte e faz-se o escalonamento do restante”, disse Gustavo, em entrevista à Rádio Capital FM, nesta segunda-feira (4).

Em novembro, o Estado quitou a folha de outubro em três etapas. Servidores com salários de até R$ 5 mil receberam no dia 10. Quatro dias depois foram pagos os salários de quem recebe entre R$ 5 mil e R$ 10 mil. No dia 21, foram pagos os servidores cujos salários ultrapassam os R$ 10 mil.

“Infelizmente, os servidores nos pressionam e querem uma previsão. Se dermos uma previsão hoje, tem que ser conservadora e pessimista. Isso gera um descontentamento, que nem é a realidade que se atinge. Então, é preciso ter responsabilidade na hora de falar isso”, asseverou o secretário.

Mesmo diante da crise financeira, o gestor acredita que dezembro tende a ser melhor, uma vez que R$ 110 milhões, referentes à dívida da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), já foram liberados pela União.

“No mês passado, ainda tivemos que fazer um desembolso emergencial, no começo do mês, de R$ 50 milhões para Saúde, por conta de uma série de fornecedores que precisavam ser pagos. Isso não está programado para os primeiros 10 dias deste mês. O que está programado para Saúde é a chegada dos R$ 100 milhões das emendas. Então, temos R$ 100 milhões a mais no caixa”, informou.

Gustavo contou que o “desencaixe financeiro” do Estado é de cerca de R$ 700 milhões, daí a importância da entrada dos recursos do FEX e da Conab, para aliviar o caixa nos meses de janeiro e fevereiro, quando a arrecadação é menor.











(3) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Celso  06.12.17 12h51
Não receber salários, ou receber com atrasos, é respeitar a dignidade da pessoa humana (um dos fundamentos do Estado de Direito Democrático, e portanto da República Federativa do Brasil, conforme a CF/1988). O ser humano não pode ser tratado como simples objeto, principalmente na condição de trabalhador.

Responder

12
0
Pardal  04.12.17 18h09
Está na hora do Governo MT priorizar os salários dos Servidores Públicos, ao invés de deixa-los por último no pagamento.

Responder

27
1
alexandre  04.12.17 17h11
paga se os mega salarios, escalonea de quem arrecada.

Responder

21
0

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER