Cuiabá, 22 de Fevereiro de 2017

Facebook Twitter Rss
09.01.2017 | 14h40
A- | A+


PODERES / "BANDA ESTREITA"

Estado abre processo contra empresa que cobrava R$ 490 mil por 500 kbps

Complexx foi citada por delator da Operação Rêmora, que investiga fraudes em contratos da Educação


DA REDAÇÃO

Assessoria

Clique para ampliar

Após rompimento de contrato com a Seduc, Sefaz também investiga irregularidades da Complexx.

A Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz) instaurou um Processo Administrativo contra a empresa Complexx Tecnologia Ltda, citada em delação premiada do empreiteiro Giovani Guizardi, na ação penal referente à operação Rêmora.

A operação, deflagrada pelo Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco), investiga fraudes em licitações, formação de cartel e cobrança de propina em obras de reforma e construção de escolas estaduais na Capital e no interior.

De acordo com a Portaria nº 50/2016, o processo foi instaurado em virtude da não execução parcial do contrato nº003/2014/SAAF/Sefaz, que tinha como objeto a prestação de serviços especializados de manutenção de equipamentos e instalações lógicas, elétricas e telefônicas da Sefaz.

Foram nomeados três servidores, sendo duas advogadas e um bacharel em Direito, para constituir a comissão processante. Todos são membros da Comissão Administrativa de Apuração das Infrações de Fornecedores (Caif/Saaf).

O prazo para entrega dos trabalhos é de 70 dias a contar da data de notificação da empresa. O documento, assinado no dia 21 de dezembro por Cândido dos Santos Rosa Júnior, secretário-adjunto de Administração Fazendária, foi publicado no Diário Oficial do Estado (DOE) que circula nesta segunda-feira (9).

Contrato rompido

Desde o mês passado, a Complexx também já teve seu contrato com a Secretaria de Estado de Educação, Esporte e Lazer (Seduc) rompido após ter sido citada na delação de Giovani Guizardi.

O contrato, que estava em vigor desde a gestão do ex-governador Silval Barbosa (PMDB), era do valor de R$ 3,7 milhões.

A contratação foi feita em 2014 de forma emergencial. O Estado pagava mensalmente R$ 490 mil pelo uso de Internet, de apenas 500 kbps por ponto. 

A empresa também era patrocinadora da equipe de ciclismo do ex-secretário de Estado de Educação, Permínio Pinto (PSDB), que está preso do Centro de Custódia de Cuiabá (CCC), desde julho do ano passado, quando houve a operação Locus delicti, segunda fase da Rêmora. 

Leia também:

Seduc pagava R$ 490 mil por serviço de 'internet banda estreita'

 



COMENTÁRIOS









Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER