10.01.2018 | 20h20


POR REELEIÇÃO

Dilmar avalia deixar liderança do Governo e se reúne com Taques

O líder do Governo na Assembleia Legislativa, Dilmar Dal Bosco, quer buscar a reeleição à Assembleia Legislativa e argumentou que a dedicação na campanha pode prejudicar o desempenho na função.


DA REDAÇÃO

O líder do Governo na Assembleia Legislativa, Dilmar Dal Bosco (DEM), estuda deixar a função neste ano. A decisão será tomada junto com o governador Pedro Taques (PSDB) em conversa na próxima segunda-feira (15).

“Eu sou do interior e neste ano, em que teremos todo o processo eleitoral, vou estar mais ausente de Cuiabá, pois terei que viajar, visitar minhas bases e isso pode atrapalhar as atividades como líder do Governo. Vou expor isso ao governador, colocar a função à disposição e esperar a decisão dele. Se achar que é possível conciliar, permaneço como líder”, explicou o parlamentar ao , nesta quarta-feira (10).

Dilmar quer buscar a reeleição à Assembleia Legislativa e argumentou que a dedicação na campanha pode prejudicar o desempenho como líder do Governo.

“Não vou abandonar o barco, como se diz. Sou leal e permanecerei ao lado do governador, pois acredito na retomada do crescimento do Estado”, disse.

O deputado lembrou que esteve junto com Taques na maior crise financeira vivida pelo Governo em 2017, com atrasos nos repasses à Saúde e aos poderes, pagamentos de salários e fornecedores.

“Não vou abandonar o barco, como se diz. Sou leal e permanecerei ao lado do governador, pois acredito na retomada do crescimento do Estado”, disse.

“Mesmo com todos esses problemas conseguimos aprovar matérias importantes para o Estado, como o Teto de Gastos e o orçamento no fim do ano. Tudo foi feito com muito diálogo e me dediquei quase que integralmente à função de líder. Cumpri meu papel, mas agora preciso cuidar da minha reeleição”, afirmou Dilmar.

Na reunião com Taques, ele deve sugerir que um parlamentar, cuja base eleitoral está na Capital ou em Várzea Grande, fique com a liderança, uma vez que não precisará fazer tantas viagens e estará mais presente.

“Acho que com a volta do Wilson [Santos] e do Max [Russi], ficará tudo mais tranquilo e o governador pode escolher também o [Eduardo] Botelho ou o [Guilherme] Maluf para a função, que são de Cuiabá”, sugeriu o parlamentar.

Dilmar Dal Bosco assumiu a função de líder do Governo, em agosto de 2016, quando o atual secretário de Cidades, Wilson Santos (PSDB), disputou a eleição para a Prefeitura de Cuiabá. O tucano perdeu a disputa eleitoral para Emanuel Pinheiro (PMDB).

Além de Santos, o atual secretário da Casa Civil, Max Russi (PSB), voltará ao Parlamento, já que precisa se desincompatibilizar do cargo público até abril para poder disputar o pleito eleitoral.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER