27.04.2019 | 14h05


REFORMA DA PREVIDÊNCIA

Deputado de MT diz que governo estaria oferecendo R$ 6 milhões em emendas

Leonardo Albuquerque destaca que a oferta em emendas seria para os novos deputados que de alguma forma sinalizam ser parcialmente favoráveis à Reforma da Previdência.


DA REDAÇÃO

O deputado federal por Mato Grosso Leonardo Albuquerque (SD) afirmou que são fortes os comentários na Câmara Federal, de que lideranças do Governo Bolsonaro estariam oferecendo R$ 6 milhões em emendas extraordinárias aos novos deputados, que votarem pela Reforma da Previdência. Albuquerque também teria recebido a oferta.

O parlamentar não citou nomes, mas uma fonte do confirmou que as propostas vieram das lideranças do PSL na Câmara. Conforme apurou a reportagem, elas estariam conversando um a um com os deputados com a oferta de emenda. A prioridade seria buscar quem está se posicionando a favor e em partes do projeto de Reforma da Previdência.

A bancada do PSL é liderada pelo deputado Waldir Soares de Oliveira, do Paraná. Também estão na vice-liderança do partido mais 14 parlamentares, dentre eles o mato-grossense Nelson Barbudo.    

Albuquerque afirma que  Bolsonaro se elegeu sob a bandeira de não fazer a velha política, no entanto, tem repetido as mesmas práticas.

“Não dá para propor, olha: ‘nós vamos liberar R$ 6 milhões de emendas para os novos deputados, mas tem que votar a Previdência Social. Isso é o que? Não é propor a velha política? Eu não aceito”, criticou o parlamentar em entrevista nesta semana ao Programa Jornal da Capital, da Rádio Capital FM (101.9). “Se o presidente da República vier oferecer para os novos emendas, como forma de pressionar, aí é a mesma coisa”, insistiu.

As emendas extraordinárias seriam uma forma do Governo ‘agradar’ os novos deputados, que começaram a legislatura neste ano, e não possuem indicação de emendas, tendo em vista que a propositura precisa ser feita no ano anterior.

A negociação do Governo pela Reforma da Previdência também foi tema de reportagem do Jornal Folha de S.Paulo, veiculada na quarta-feira (24).

Na matéria é relatado que líderes de cinco partidos governistas confirmaram que o ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni (DEM-RS) teria oferecido destinar um extra de R$ 40 milhões em emendas parlamentares até  2022, a cada deputado federal que votasse a favor da Reforma da Previdência no plenário da Câmara.

Segundo a reportagem, a proposta teria sido feita na casa do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), na semana passada (leia AQUI).

A reportagem foi lida pelos deputados da oposição e gerou uma grande confusão  na Câmara, que envolveu ofensas e troca de empurrões no plenário da Casa. O vice-líder do Governo, o deputado José Medeiros (Podemos-MT), chegou a chamar um colega de parlamento de “vagabundo”  pelas as acusações (veja o VÍDEO).

Outro lado

Medeiros negou qualquer tipo de negociação de emendas  na Câmara em troca de votos pela reforma da Previdência.

“Quem falar assim: ‘negociou essa emenda’, isso não houve. Até porque, só para você ter uma sinalização de que é verdade, os cargos dos estados, ninguém nomeou nada, nem a base. O Governo não abriu de que jeito ele vai se relacionar com o Congresso nesse aspecto”, argumentou o vice-líder de Bolsonaro.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Matéria(s) relacionada(s):

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER