14.05.2018 | 15h20


PROPINA NO DETRAN

Botelho depõe no Gaeco e nega fazer parte de empresa de fachada

"Eu entrei como investidor, não tinha gerência, não participei de nada. Foi esclarecido tudo. Eles fizeram levantamento de todos os cheques que saíram da minha conta e eu expliquei um por um"


DA REPORTAGEM

O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Eduardo Botelho (DEM) afirmou em depoimento na sede do Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco) que entrou como sócio investidor na Santos Treinamento e garantiu que a empresa não era de fachada, conforme apontou o Ministério Público Estadual (MPE).

Segundo o deputado, os questionamentos dos promotores do Gaeco foram quanto a cheques emitidos por ele.

"Eu entrei como investidor, não tinha gerência, não participei de nada. Foi esclarecido tudo. Eles fizeram levantamento de todos os cheques que saíram da minha conta e eu expliquei um por um dos meus cheques que foram repassados", disse.

O deputado reiterou que nunca teve participação na administração ou gerência da empresa e que os valores repassados por ele foram referenta à cota da socieade na Santos Treinamento.

As investigações da Operação Bereré destacaram que a empresa teria recebido R$ 7,3 milhões a título de propina por meio de contratos com a empresa EIG Mercados, a antiga FDL Serviços. Conforme o Gaeco, os repasses ilícitos faziam parte do esquema de desvio de dinheiro do Detran, por meio de contrato com a EIG Mercados. 

O esquema de propina envolvendo a EIG Mercados, a Santos Treinamento e o Detran veio à tona na Operação Bereré e, recentemente, na segunda fase, denominada Operação Bônus.

A operação é resultado da delação do ex-presidente do Departamento Estadual de Trânsito (Detran-MT), Teodoro Lopes, o Dóia.

Conforme o Ministério Público Estadual (MPE), foram cumpridos mandados de busca e apreensão expedidos pelo Tribunal de Justiça na Assembleia Legislativa e nas casas dos deputados Eduardo Botelho e Mauro Savi, além do ex-deputado federal Pedro Henry, de servidores públicos, empresas e particulares.

As investigações tiveram início na Delegacia Especializada em Crimes Contra a Administração Pública e Ordem Tributária (Defaz), sendo que as medidas cautelares foram requeridas pelo Naco Criminal (Núcleo de Ações de Competência Originária) do Ministério Público Estadual e estão sendo cumpridas em Cuiabá, Sorriso e Brasília (DF), pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado) e Polícia Judiciária Civil, com apoio da Polícia Militar, por meio do Bope.

Veja o vídeo:

 

 











(2) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Bruno  16.05.18 18h26
Votei em Pedro Taques, mas alguém cercado por Wilson Santos (réu acusado do desvio de 42 milhões do Rodoanel), Botelho, Mauro Savi, Guilherme Maluf, Baiano Filho e Nininho (acusados pelos desvios de 30 milhões do Detran), Gilmar Fabris (flagrado com a mala de dinheiro e depois fugindo de pijama da PF), com inúmeros secretários presos, ex-secretário de Justiça (grampos ilegais), ex-secretário de Educação (por desvios de 54 milhões em coautoria com o ex-coordenador de campanha do Pedro Taques, Alan Maluf), ex-secretário de Segurança Pública, ex-comandante da PM. Sendo que seu primo e homem de confiança é réu pelo esquema de escutas ilegais e agora pelos desvios no Detran. Sinceramente ALGUÉM AINDA ACREDITA NESSE TAQUES?????? Não sabia de nadaaa???? Só falta ter ganho um triplex...

Responder

0
0
Bia  14.05.18 18h29
Saiu o Riva ,entrou o Botelho. Quem nós defenderá?

Responder

0
0

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER