05.06.2019 | 11h49


VISITA A MATO GROSSO

Bolsonaro fala em acabar com 'indústria da multa' que atrapalha o crescimento do agronegócio

Segundo o presidente, a União não irá criar dificuldade para vender facilidade como fez no passado.


DA REDAÇÃO

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) garantiu que o Governo Federal irá acabar com a chamada “indústria da multa”, que atrapalha os produtores rurais de regiões importantes para o agronegócio brasileiro como os Estados de Mato Grosso e Goiás.

A declaração ocorreu na divisa entre os dois estados, durante o lançamento do programa “Juntos pelo Araguaia”, desenvolvido pelos Governos de Mato Grosso e Goiás, que visa a recuperação de áreas degradas no Rio Araguaia, na manhã desta quarta-feira (04).

“A primeira missão nossa é não atrapalhar quem quer produzir. Em nosso Governo e nos Governos Estaduais a máxima de antigamente que era criar dificuldade para vender facilidade. Vamos atender naquilo que vocês precisarem e no que merecem”, afirmou.

Sem entrar em detalhes, Bolsonaro declarou que nas gestões anteriores, a União criava dificuldade para os produtores com o objetivo de vender facilidade.

“A primeira missão nossa é não atrapalhar quem quer produzir. Em nosso Governo e nos governos estaduais a máxima de antigamente que era criar dificuldade para vender facilidade. Vamos atender naquilo que vocês precisarem e no que merecem”, afirmou.

O presidente usou como exemplo de indústria da multa os radares eletrônicos espalhados pelas rodovias brasileiras e citou o projeto de lei, que visa alterar a Carteira Nacional de Habilitação (CNH).

Entre as mudanças estão o aumento na validade da CNH, de 5 para 10 anos para motoristas adultos e de 2 anos e meio para 5 anos a motoristas idosos. A proposta também aumenta o limite de pontos para cassação da carteira de 20 para 40 pontos.

“Para que o caminhoneiro que trabalha aqui no Centro Oeste não perca sua carteira com 20 pontos. Por mim eu colocaria 60, afinal de contas a indústria da multa irá deixar de existir no Brasil”, argumentou o Jair Bolsonaro.

“Para que o caminhoneiro que trabalha aqui no Centro Oeste não perca sua carteira com 20 pontos. Por mim eu colocaria 60, afinal de contas a indústria da multa irá deixar de existir no Brasil”, argumentou o Jair Bolsonaro.

“Acertei com o Paulo Guedes, ministro da Economia, a contratação de mais mil servidores para (Polícia Rodoviária Federal) ajudar nas estradas, mas as multas eletrônicas vão deixar de existir para o bem dos motoristas do nosso país”, acrescentou.

Em relação ao meio ambiente e o desenvolvimento econômico, o presidente disse que o programa lançado em Aragarças, Estado de Goiás, é uma forma de mostrar ao mundo que é possível produzir e preservar a floresta.

“A revitalização da bacia do Araguaia Esse é o maior exemplo que podemos dar ao mundo que estamos sim preocupados com meio ambiente, mas também, perfeitamente, casado com a economia e o desenvolvimento desta região”, pontuou.











(2) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Pedro  06.06.19 13h15
To querendo saber ainda se o governo cobra icms ou também dá desconto nos impostos dessa tal "industria da multa"... ah verdade, esqueci, essa tal industria só existe na cabeça do presidente que se recusa a pagar qualquer multa (sobre leis que ele insiste em nao respeitar)

Responder

0
0
IVO  05.06.19 15h54
Todo governo e uma merda , vai tirar as multas do agronegocio ou seja dos empresarios deles mesmos, enquanto da populacao carente, humilde cortar os beneficios. Uma vergonga este e os governos anteriores. Somente a classe necessitada e penalizada neste pais.

Responder

2
1

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER