24.04.2019 | 08h33


ONOFRE RIBEIRO

Transformações rápidas e difíceis

Entramos agora na fase da inteligência artificial, do Big Data, da internet

De tempos em tempos o planeta ou a humanidade sofrem transformações profundas em diferentes graus de dificuldades. Assim foi no fim do Império Egípcio, do Império Persa, do Império Romano, início do ciclo das navegações. Lá atrás o surgimento da agricultura, a descoberta do ferro, a descoberta do vapor, o começo da industrialização, a descoberta da eletricidade. Depois disso as grandes guerras mundiais do século 20 que mudaram todo o perfil da industrialização e gerando tecnologias inexistentes.

Com essas tecnologias nas mãos, o saldo da segunda guerra mundial, de 1939 a 1945, foi a divisão do mundo em duas vertentes políticas, econômicas e ideológicas diferentes, resultando na chamada Guerra Fria. De um lado os Estados Unidos e seus países alinhados. De outro a União Soviética, liderada pela Rússia, com 15 repúblicas. No meio desse emparedamento mundial surgiram crises impressionantes e a ameaça contínua de uma terceira e fatal guerra mundial que destruiria o planeta em função dos extraordinários arsenais nucleares de parte e aparte.

Em 1989 começou o fim do armamento dos dois blocos e a dissolução da União Soviética. Custos impossíveis de serem mantidos e um pouco de racionalidade política entre nas duas grandes potências líderes dos dois blocos encerrou a guerra fria e abriu as bases de um multilateralismo político entra nações da atualidade.

O fim da guerra fria dispensou milhares de tecnologias exclusivas de uso militar que foram adaptadas ao mundo civil. Entre elas os computadores para uso em massa e a internet. A partir daí o mundo mudou radicalmente. Entramos agora na fase da inteligência artificial, do Big Data, da internet das coisas e na indústria 4G.

O assunto é longo pra fazer justiça ao titulo do artigo. Mas quero encerrar deixando no ar uma equação pros leitores. Até que ponto o modo humano de viver até aqui, consagrado ao longo da História, vai se organizar rapidamente pra se ajustar ao salto quântico das tecnologias conforme dito acima?

Responsabilidades pro pensamento da educação, dos pesquisadores, dos cientistas sociais, dos religiosos e dos líderes espirituais, dos governantes do mundo e do capital. Mas tem um detalhe: é pra amanhã! Nossos filhos e jovens dependem disso pra terem um futuro mínimo!

ONOFRE RIBEIRO é jornalista em Mato Grosso.

Os artigos assinados são de responsabilidade do autor, não apresentando, portanto, a opinião do site ReporterMT.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.


Confira também nesta seção:
21.05.19 17h00 »  Como identificar e coibir a prática
21.05.19 08h34 »  Ainda sobre o STF
21.05.19 08h30 »  Disrupturas, rupturas
21.05.19 08h27 »  Por um urbanismo protagonista
21.05.19 07h55 »  Primeiras impressões do governo Mauro Mendes
20.05.19 08h56 »  Um país em depressão
20.05.19 08h52 »  O deus mercado está destruindo o planeta
20.05.19 08h39 »  Segurança infantojuvenil
20.05.19 08h31 »  A verba indenizatória e os seus malefícios
18.05.19 09h30 »  O Brigadeiro

Enquete

R$ 65 MILHÕES

Você é a favor ou contra o corte de Bolsonaro no orçamento da UFMT e IFMT?

Sim, só produzem baderna

Não, vai piorar o nível dos cursos

Sim, a maior parte do gasto é com altos salários de servidores

Não, deveria aumentar os investimentos

  • Parcial

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER