11.05.2019 | 07h55


RITA DE CASSIA BUENO

Gestação e a pensão alimentícia

O referido direito tem como base fundamental a solidariedade familiar e o direito à vida.

Neste domingo comemoramos o Dia das Mães e nessa data é importante falarmos sobre algo que muitas mães em formação desconhecem: Os Alimentos Gravídicos.

O referido direito tem como base fundamental a solidariedade familiar e o direito à vida, haja vista que a lei tem como objetivo garantir que o nascituro (feto ainda no ventre) possua a assistência necessária para que seja gerado de maneira saudável.

 

A Lei 11.804/2008 chamada Lei dos Alimentos Gravídicos trata-se de uma pensão a ser paga pelo futuro pai, em valores suficientes para cobrir as despesas adicionais do período de gravidez, bem como as que sejam decorrentes da gestação, tais como: parto, consultas, medicamentos, exames, internações, despesas com alimentação especial e até mesmo assistência psicológica e demais prescrições preventivas e terapêuticas que sejam indispensáveis desde que devidamente comprovadas, sendo que o juiz ainda poderá considerar outras despesas pertinentes às condições específicas de cada caso.

Os referidos alimentos serão fixados judicialmente e para tanto é necessário que haja comprovação de indícios da paternidade, com provas do relacionamento por meio de fotografias, filmagens, colheita de testemunha e outros.

O valor da prestação alimentícia deverá respeitar a proporção da necessidade da gestante, bem como a proporção dos recursos do pai. Nesse sentido é o que prevê o art. 6º da Lei dos Alimentos Gravídicos:

“Art. 6º  Convencido da existência de indícios da paternidade, o juiz fixará alimentos gravídicos que perdurarão até o nascimento da criança, sopesando as necessidades da parte autora e as possibilidades da parte ré.”

Destaca-se que após o nascimento da criança os alimentos gravídicos automaticamente serão convertidos em pensão alimentícia definitiva ao menor, até que seja solicitada sua revisão ou exoneração.

Esclarece-se que o conteúdo deste artigo é de caráter informativo e não substitui uma consulta prévia a um advogado devidamente registrado que seja de sua confiança.

Rita de Cassia Bueno do Nascimento. Inscrita na OAB/MT sob o número 23.763. Pós-Graduanda em Direito Civil e Processo Civil. Advogada Cível na Advocacia Daiany Machado. E-mail: ritabueno@advocaciadm.com

Os artigos assinados são de responsabilidade do autor, não apresentando, portanto, a opinião do site ReporterMT.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.


Confira também nesta seção:
22.05.19 08h42 »  Onde buscar ajuda
22.05.19 08h40 »  Como identificar e coibir a prática
22.05.19 08h33 »  Direitos fundamentais
22.05.19 08h28 »  Os resultados positivos da vida
21.05.19 08h34 »  Ainda sobre o STF
21.05.19 08h30 »  Disrupturas, rupturas
21.05.19 08h27 »  Por um urbanismo protagonista
21.05.19 07h55 »  Primeiras impressões do governo Mauro Mendes
20.05.19 08h56 »  Um país em depressão
20.05.19 08h52 »  O deus mercado está destruindo o planeta

Enquete

R$ 65 MILHÕES

Você é a favor ou contra o corte de Bolsonaro no orçamento da UFMT e IFMT?

Sim, só produzem baderna

Não, vai piorar o nível dos cursos

Sim, a maior parte do gasto é com altos salários de servidores

Não, deveria aumentar os investimentos

  • Parcial

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER