23.05.2019 | 08h31


JOÃO EDISOM

BR 163, da realidade a frustração – segunda parte

A questão agora é a seguinte: porque ainda não está totalmente duplicada?

São 19 municípios as margens da BR 163 que estão compreendidos somente na extensão concedida, entre eles a capital mato-grossense, Cuiabá, e as cidades de Rondonópolis, Nova Mutum, Lucas do Rio Verde, Sorriso e Sinop, principais produtores agrícolas do estado campeão na produção de grãos e leguminosas. Por isso também estava previsto a construção de 20km de um rodoanel (em 5 diferentes cidades) e 44 km de vias marginais.

Os números registrados pela empresa responsável pela concessão são impressionantes, tais como: o número mensal de veículos que roda nos 850,9 quilômetros sob concessão na BR-163 são de 65 mil, dos quais 60% são de cargas. O registro de acidentes, só no primeiro trimestre de 2019, foram de 853 no trecho sob concessão da BR-163. O número é 6% menor se comparado com o mesmo período do ano passado, quando foram registradas 906 ocorrências. Esta melhoria no índice é porque aumentou o trecho duplicado entre Cuiabá e Rondonópolis.

Para se ter uma ideia do que isso significa, basta analisarmos os números de 2018, quando foram registrados 107 óbitos no trecho da BR-163/364 sob concessão. Imagina como era antes e como será quando estiver toda duplicada! Quantas vidas serão salvas.

Quando comparados os dados entre 2018 e 2013 (último ano da BR-163 sob responsabilidade do Governo Federal) chegamos a uma redução de 26% no número de mortes. Em 2013, portanto antes da atuação da Rota do Oeste, foram registradas 146 mortes no mesmo trecho.

Os números demonstram que o aumento dos trechos duplicados e os serviços realizados pela Rota do Oeste na BR-163, como manutenção de pavimento, roçada, socorro médico e limpeza da pista, refletem diretamente na segurança e salvam vidas. Nem coloco aqui o prejuízo material que era causado nos veículos que por esta estrada trafegavam.

A questão agora é a seguinte: porque ainda não está totalmente duplicada? As praças de pedágio já funcionam! As datas previstas no ato da concessão não estão sendo cumpridas conforme contrato. Mas este tema é para o artigo da próxima semana, quando tratarei das responsabilidades pelos prejuízos econômicos ao Estado e pelas vidas que poderiam ter sido salvas caso o contrato tivesse sido respeitado.

Os artigos assinados são de responsabilidade do autor, não apresentando, portanto, a opinião do site ReporterMT.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.


Confira também nesta seção:
26.06.19 08h36 »  Infração de trânsito
26.06.19 08h34 »  Ferrovia para trazer
26.06.19 08h27 »  O fim do Estado
26.06.19 08h22 »  Amor a próxima eleição
25.06.19 08h36 »  A aceitação da ignorância
25.06.19 08h33 »  Uma nova economia
25.06.19 08h30 »  Ferrovia
25.06.19 07h55 »  Decoração: Quarto
24.06.19 09h10 »  O Brasil e os brasis
24.06.19 09h04 »  Intimação por WhatsApp

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER