21.04.2017 | 07h55


LAURA OLIVEIRA

Atenção ao perigo do desafio da Baleia Azul

O jogo e a forma como o mesmo seduz os jovens chama atenção de médicos

A sociedade moderna vive a rotina acelerada e totalmente dependente da tecnologia, porém esta mesma tecnologia que auxilia traz malefícios, o último descoberto é o Desafio da Baleia Azul (ou Blue Whale Challenge). O jogo com nuance macabras estimula os adolescentes ao suicídio, proporcionando uma onda de medo visto os impactos negativos.

O desafio começou na Rússia onde as autoridades somam mais de 150 casos, e chegou ao Brasil. No início do mês de abril acendeu-se a luz do alerta em nosso país com os primeiros casos, em Mato Grosso também paira a suspeita no caso de suicídio da menor em Vila Rica ocorrido no dia 11 de abril. 

O jogo e a forma como o mesmo seduz os jovens chama atenção de médicos, psicólogos e de pais pelo mundo inteiro, mas como bloquear esta febre e conseguir protegê-los? 

A resposta não é simples, mas se encontra, principalmente, na criação de elos com os jovens e assim fomentar afinidades, mudando e inserindo novos hábitos. O diálogo entre pais e filhos ainda é a melhor alternativa, assim como fazer parte da vida, conhecer a rotina e o núcleo de amigos. 

As informações são divulgadas de forma acelerada, por isso vale a pena inserir os assuntos, ouvir o posicionamento do jovem. Esse hábito do diálogo deve ser inserido desde a mais tenra idade, para que se solidifique ao longo do tempo. 

Caso identifique alguma atitude diferente, é importante que o pai ou responsável busque auxílio do psicólogo para uma análise profissional e assim formular um tratamento adequado. 

O Brasil é o país mais depressivo da América Latina, e por isso a sociedade deve ter maior atenção a este novo desafio que quer sucumbir os jovens. A exemplo da França, precisamos dar início a uma forte campanha unindo forças entre movimentos sociais, sociedade, em parceria com a Educação e Saúde, colocando todos em atenção redobrada, para que os jovens se conscientizem que nenhum desafio merece ariscar o bem mais precioso de todos, a vida. 

Se a “onda” é desafios, vamos nos desafiar com coisas positivas, que engrandeçam a alma e auxilie a vida ser melhor, que tal desafiar o grupo de amigos a visitar um lar com crianças carentes, ou de idosos? Ou unir forças e coletar donativos para distribuição a famílias carentes?

Podemos virar o jogo e ganhar uma vida, basta somente atenção e trabalho em equipe.

Dra Laura Oliveira Gonçalves (CRP/MT 18/2109), psicóloga atua na Abordagem Sistêmica (Terapeuta para casais, crianças, família, adolescentes). Especialista em Avaliação Psicológica e Especialista em Psicologia do Trânsito. 

Instagram: dralaura_psicologiaclinica – Cel.: (65) 98135-8840.

Os artigos assinados são de responsabilidade do autor, não apresentando, portanto, a opinião do site ReporterMT.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.


Confira também nesta seção:
13.12.17 07h55 »  Isonomia e a pequena empresa
13.12.17 07h55 »  O grande golpe do palhaço tiririca
12.12.17 13h47 »  Superando desafios
12.12.17 07h55 »  Preciosismo
12.12.17 07h55 »  A indústria do dano moral
11.12.17 08h25 »  Situação controversa
11.12.17 08h10 »  Saber virar as páginas
10.12.17 07h55 »  A notícia do ano
10.12.17 07h55 »  Quem é a mulher do ano?
09.12.17 07h55 »  Praça Alencastro, a pioneira

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER