30.06.2016 | 20h20


GREVE JUDICIALIZADA

Justiça proíbe governo de cortar ponto de servidores do Detran

O desembargador ainda determinou, que caso não seja cumprida a decisão, o Estado terá que pagar multa diária de R$ 100 mil.


DA REDAÇÃO

O desembargador do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, Alberto Ferreira de Souza, determinou no final da tarde desta quinta-feira (30) que não fossem cortados os pontos dos servidores em greve do Departamento Estadual de Trânsito (Detran), sob pena de multa diária de R$ 100 mil para o Estado. O magistrado ainda estendeu a decisão para as categorias da Segurança Pública, que tiveram a aplicação de corte de pontos em decisão anterior do Judiciário.

O magistrado ainda estendeu a decisão para as categorias da Segurança Pública, que tiveram a aplicação de corte de pontos em decisão anterior do Judiciário.

O Estado terá 24 horas para cumprir a determinação assim que for comunicado, sob pena de incorrer no crime de desobediência e, após isso, até 15 dias para se manifestar de forma contrária. O desembargador, todavia, frisou que os serviços essenciais não poderiam ser paralisados. “Devendo os respectivos Sindicatos/Associações cuidar – rigorosamente – para que o movimento paredista não afete a promoção dos serviços públicos, mercê de sua essencialidade”, diz trecho da decisão.

Os servidores estão em greve por rejeitar a proposta o governo de pagamento da Revisão Geral Anual (RGA) de 7,54%. As 32 categorias que compõem o Fórum Sindical reiteram que querem os 11,28% de reposição das perdas inflacionárias que têm direito. No entanto, o Executivo alega que o Estado está passando por um período de crise e, portanto, não tem dinheiro em caixa para cobrir o valor.

Questionado, o governador Pedro Taques (PSDB) disse que o pagamento da RGA de 11,28% representaria uma folha de pagamento “extra” de R$ 628 milhões. Além disso, o chefe do Executivo alegou que se fizesse o pagamento os salários dos servidores sofreriam atrasos. “O salário é sagrado”, ponderou o tucano recentemente.

Contudo, o que mais causou a situação “áspera” entre governo e sindicatos foi a decisão de encaminhar um projeto para aprovação dos deputados estaduais recentemente. Com o projeto já aprovado, o governo garante que o teto de pagamento da RGA será de 7,54% ao invés dos 11,28%. O fato indignou os servidores que afirmaram que a greve continuará.   











(2) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

astro  01.07.16 10h37
que diferença faz, melhor deixar o povo do detran em casa mesmo, nunca trabalham, atendem mal,só sabem reclamar e nunca saem do zap zap.... assim pelo menos o transito na região do Paiaguas flui melhor

Responder

0
0
alexandre  01.07.16 09h26
é o famoso toma papudo, a justiça restabeleceu a ordem diante dos abusos do Imperador...

Responder

3
2
Matéria(s) relacionada(s):

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER