Cuiabá, 18 de Janeiro de 2017

Facebook Twitter Rss
20.12.2016 | 14h24
A- | A+


JUDICIÁRIO / MÁFIA DA SEDUC

Empresário diz que entregou R$ 40 mil ao presidente da Assembleia

Ao Gaeco, Alan Malouf negou versão de delator e afirmou Giovani Guizardi tratava do esquema diretamente com o deputado Guilherme Maluf


DA REDAÇÃO

RepórterMT/Reprodução

Clique para ampliar

Empresário se defende e aponta que era Maluf quem discutia esquema com operador.

O empresário Giovani Guizardi, dono da Dínamo Construtora, réu e colaborador premiado na ação penal que apura fraudes em licitações de obras da Secretaria de Estado de Educação, Esporte e Lazer (Seduc), tratava do esquema diretamente com o presidente da Assembleia Legislativa de Mato Grosso, Guilherme Maluf (PSDB).

Pelo menos, é o que afirmou o empresário Alan Malouf, em depoimento ao Gaeco (Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado).

A declaração foi feita em depoimento na última sexta-feira (16), após Malouf ter sido preso na Operação Grão Vizir, terceira fase da Operação Rêmora, que investiga o esquema de cobrança de propinas de empreiteiros na Seduc.

Segundo ele, o próprio Guizardi teria lhe contado que o deputado do PSDB tinha participação no esquema.

Maluf seria o responsável pela indicação dos réus Wander Luiz dos Reis e Moisés Dias da Silva para cargos considerados estratégicos para os interesses da organização criminosa.

Os dois "participavam do esquema e, sem a anuência dos mesmos, não seria possível a concretização”, diz um trecho do documento do Gaeco.

Alan Malouf ainda declarou que nunca conversou com Guilherme Maluf sobre as condutas ilícitas que supostamente mantinha com Guizardi.

No entanto, ele afirmou ter entregado, a pedido de Guizardi, um envelope contendo R$ 40 mil ao parlamentar, não se recordando apenas se isso ocorreu na casa de Maluf ou no Hospital Santa Rosa, que é de propriedade do presidente do Legislativo.

Guizardi teria informado a Alan Malouf que o dinheiro “era a parte do Guilherme no esquema da Seduc, visto as indicações dos servidores Moisés e Wander da Seduc”.

Conforme relatou ao Gaeco, essa teria sido a primeira vez que o empresário entregou “dinheiro vivo” ao deputado. “Se recorda que não houve qualquer indagação de Guilherme acerca do dinheiro, recebeu de forma natural”, diz outro trecho do depoimento.

No depoimento, Malouf negou ser o líder da organização criminosa denunciada pelo Ministério Público Estadual (MPE) e imputou essa liderança a Giovani Guizardi, que, ao contrário do que dissera em sua delação premiada, não tratava com o dono do Buffet Leila Malouf sobre o esquema, mas sim com o presidente da Assembleia.

Apesar de apontar a liderança das fraudes para Guizardi e Maluf, o dono de buffet  também confirma que recebeu R$ 260 mil do empreiteiro, como parte na falcatrua.

Alan Malouf também negou a versão dada pelo delator Guizardi, de que teria deixado dinheiro de propina no banheiro de seu escritório, no buffet, para ele e para o deputado estadual, que teria chegado logo em seguida para pegar o montante.

“Pode afirmar que a única vez que Guilherme Maluf e Giovani Guizardi estiveram juntos, em sua empresa, foi uma vez em que Guilherme Maluf e Giovani estiveram juntos na empresa do interrogando e encontraram-se casualmente. Ese recorda que Guilherme indagou a Giovani o motivo que queriam tirar Wander da Seduc, oportunidade em que Giovani disse não saber de nada”, diz trechos dos autos.

Ainda com relação ao suposto envolvimento de Guilherme Maluf nos eventos relatados por Giovani Guizardi, Alan Malouf relatou aos promotores que soube, por sua prima e esposa de Giovani, Jamille Guizardi, que o segurança do deputado, Milton Flávio, teria ido visitar o empresário quando este estava preso na base do Serviço de Operações Especiais (SOE), o que gerou medo por parte do delator.

Alan Maluf afirmou que procurou Guilherme para questionar sobre essa suposta tentativa de intimidação, “oportunidade em que Guilherme disse ter tomado conhecimento, mas que não houve ameaça”.

Outro lado

Em resposta às declarações de Alan Malouf ao Gaeco, o deputado Guilherme Maluf negou, por meio de sua assessoria, envolvimento em irregularidades ocorridas na Seduc.

Em nota, o parlamentar afirmouque as acusações são uma tentativa de Alan e Giovani de “se safar da prisão”. Disse que são “denúncias infundadas e sem absolutamente nenhuma prova concreta”.

O presidente da Assembleia disse que sua assessoria jurídica já foi acionada , que apoia as investigações e está à disposição da Justiça para qualquer esclarecimento.

Confira a íntegra da nota do deputado Guilherme Maluf:

Acerca das declarações prestadas por Alan Malouf em depoimento ao Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco), no dia 16 de dezembro, o deputado estadual e presidente da Assembleia Legislativa, Guilherme Maluf, vem a público esclarecer que:

1) Tomou conhecimento do depoimento de Alan Malouf apenas pela imprensa, porém reafirma que não tem envolvimento com qualquer possível irregularidade ocorrida na Secretaria de Estado de Educação (Seduc).

2) O parlamentar lamenta que, para se safar da prisão, Alan e Giovani Guizardi tenham ligado seu nome a denúncias infundadas, sem absolutamente nenhuma prova concreta.

3) A assessoria jurídica do deputado já foi acionada para tomar as providências cabíveis para o restabelecimento da verdade.

4) Por fim, Guilherme Maluf afirma que apoia as investigações e está à disposição da Justiça para qualquer esclarecimento.



COMENTÁRIOS









Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER