13.03.2019 | 08h40


HOSPITAL SEM ATENDIMENTO

Vereadores pedem intervenção administrativa na Santa Casa

A Câmara de Cuiabá aprovou o pedido de intervenção por 17 votos a favor, 5 contra e uma abstenção. A unidade suspendeu os atendimentos desde a segundas-feira (11).


DA REDAÇÃO

A Câmara de Vereadores aprovou na terça-feira (12) a indicação para que a Prefeitura de Cuiabá faça intervenção na Santa Casa de Misericórdia. A indicação será destinada à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), que apura os convênios firmados pelo Município com os Hospitais Filantrópicos da Capital e será anexada no relatório final, que deve ser votado na próxima terça-feira (19).

A aprovação da indicação foi por 17 votos a favor, 5 contra e uma abstenção. Porém, a indicação passa pelo crivo do prefeito Emanuel Pinheiro (MDB), que autoriza o ou não o pedido da Câmara.

O objetivo dos parlamentares é de evitar o fechamento da unidade de saúde, tendo em vista os inúmeros pacientes que são atendidos diariamente. A direção da unidade de saúde já foi informada sobre os encaminhamentos e uma cópia do relatório e da indicação será encaminhada ao Ministério Público do Estado (MPE) para ciência e providências.

Na mesma sessão, os vereadores aprovaram a convocação do ex-presidente da Santa Casa de Misericórdia, Antônio Preza, para prestar depoimento, a partir das 14h30 desta quarta-feira (13), na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Filantrópicos.

Irregularidades

Após renúncia do ex-presidente da Santa Casa, Antônio Preza, a Controladoria Geral do Estado (CGE-MT) apurou que na gestão passada o hospital pagou R$ 2,5 milhões na compra de um equipamento de ressonância magnética, mas não recebeu o produto.

Ainda segundo a CGE, o valor pago pelo aparelho foi 114,5% a mais do que o encontrado no mercado.

Os dados da auditoria foram entregues ao Ministério Público (7ª Promotoria Cível de Cuiabá), à Delegacia Fazendária, à Controladoria Geral da União (CGU), à Prefeitura de Cuiabá e à Secretaria de Estado de Saúde.

A equipe de auditoria também encontrou casos em que empresas contratadas cobram por consultas particulares nas dependências da Santa Casa e ainda levantou suspeita sobre o processo de reforma do centro cirúrgico da unidade entre 2016 e 2017, já que não há comprovação do processo de planejamento e execução. 

Outro fato que chamou a atenção dos auditores é que houve a contratação de familiares de pessoas que atuavam em cargo de direção e chefia com valores bem superiores aos comumente praticados; ausência do devido registro trabalhista de prestadores de serviço; excesso de empregados administrativos (área meio) e contratação de prestadores de serviços sem critérios relativos à economicidade, isonomia, impessoalidade e pagamentos irregulares de proventos a associados investidos em cargos de chefia, em descumprimento ao estatuto social do Hospital. 

 

Leia mais:

Prefeitura e Santa Casa trocam acusações e hospital para atendimento

Santa Casa recebe do Governo, mas não paga salários dos funcionários 

Sem conseguir pagar salários, presidente da Santa Casa renuncia ao cargo

 











(1) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Jango  13.03.19 10h06
Enquanto esses hospitais filantrópicos forem "administrados" por médicos, haverá falta de gestão. Aquilo é uma empresa e deve ser tratada como tal. Médico fez medicina, naõ fez administração. Quando tiver uma pessoa para gerir, terá excelência e deixará de ser o saco sem fundo que todas são.

Responder

0
0
Matéria(s) relacionada(s):

Enquete

R$ 65 MILHÕES

Você é a favor ou contra o corte de Bolsonaro no orçamento da UFMT e IFMT?

Sim, só produzem baderna

Não, vai piorar o nível dos cursos

Sim, a maior parte do gasto é com altos salários de servidores

Não, deveria aumentar os investimentos

  • Parcial

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER