15.05.2019 | 12h00


ÚLTIMOS 10 ANOS

UFMT produziu apenas uma pesquisa de destaque nacional e internacional

Universidade apresenta lista de cerca de 20 pesquisas realizadas em 10 anos, das quais uma teve destaque nacional e outra repercussão internacional.


DA REDAÇÃO

A Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) ressalta a produção de cerca de 20 pesquisas relevantes, nos últimos 10 anos, em áreas como saúde, meio ambiente e tecnologia da informática. Destas, foi destaque nacional o estudo que identificou agrotóxicos no leite materno em mães na cidade de Lucas do Rio Verde e destaque internacional outro estudo na área de Educação Física, sobre dieta hiperproteica usando ratos de laboratório, que foi publicado na revista científica internacional Nutrition.  

A continuidade, ampliação ou finalização desses trabalhos pode estar prejudicada por causa do decreto do Ministério da Educação (MEC) que contingenciou 30% do orçamento da UFMT previsto para este ano.

Uma das pesquisas, por exemplo, diz respeito "biorrecuperação”, que é a utilização de microrganismos para descontaminação de solo e água, provocada pelo mercúrio.

O coordenador da pesquisa é o professor Marcos Soares, que atua no Laboratório de Microbiologia e Econologia Microbiana (Labem), do Instituto de Biociências (IB) da UFMT.

Conforme o professor, a ideia é utilizar microorganismos e plantas para remediar uma contaminação, “que é um problema causado pelo homem”.

"Então se hoje nós temos no mundo internet, smartphone, Wi-Fi, isso é resultado de pesquisas, e não só das universidades federais”, ressaltou a reitora.

Outro trabalho voltado para área de saúde é do professor Domingo Tabajara de Oliveira Martins.

Seu departamento coletou amostras de plantas do cerrado mato-grossense para produzir remédios que atuam na cicatrização de feridas.

Atualmente esses medicamentos são de baixo custo, sendo oferecidos à população mais carente do Estado.  

A reitora da UFMT, Myrian Serra destaca que as universidades federais produzem 85% da pesquisa nacional, conforme dados do próprio MEC. 

“Pode ser que, em curto prazo, a população não veja o resultado de uma pesquisa, porque geralmente demora 5, 10, 15 anos para ter um resultado. Então se hoje nós temos no mundo internet, smartphone, Wi-Fi, isso é resultado de pesquisas, e não só das universidades federais”, ressaltou.

Agrotóxico em leite materno

A pesquisa de substâncias de agrotóxicos em leite materno, de mães que estavam amamentando seus bebês, na cidade de Lucas do Rio Verde, foi elaborado por Danielly Cristina de Andrade Palma, sendo apresentada em 2011, em formato de Dissertação ao Programa de Pós- Graduação em Saúde Coletiva, sob a orientação do professor Wanderlei Antonio Pignati.

No trabalho, foram coletados leite materno de 62 mães e todas as amostras estavam contaminadas por agrotóxicos. Conforme a pesquisa, seis substâncias foram detectadas nas amostras de leite materno. Uma deles é proibida no Brasil há quase 20 anos.

Projeção internacional

Já o doutorando do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde da UFMT, Eudes Thiago Pereira Avila, teve o artigo "Effects of high protein diet containing isolated whey protein in rats submitted to resistance training of aquatic jumps" publicado no periódico internacional Nutrition.

Seu trabalho investigou os efeitos de dieta hiperproteica à base de proteína isolada do soro do leite (PISL) (popularmente conhecida como whey protein) sobre diversos parâmetros de ratos, submetidos ao treinamento de força realizado em escada. De acordo com seu orientador, o professor Fabrício Voltarelli, o estudo demonstrou que a dieta hiperproteica contendo PISL foi eficiente em reduzir tanto peso corporal, quanto os depósitos de gordura dos animais, além de diminuir a concentração de triglicerídeos na corrente sanguínea.

Ortigo de Eudes pode ser conferido no site da plataforma Elsevier (http://www.nutritionjrnl.com/article/S0899-9007(18)30064-9/fulltext).

Cortes nas universidades públicas

O bloqueio de 30% se estende a todas as universidades federais do país, dando um total de R$ 5,8 bilhões de contingenciamento do orçamento do MEC. A medida foi publicada pelo Governo Federal por meio de um decreto, no último dia 31 de abril.

Na UFMT, a reitora da Myrian Serra informou que se o MEC mantiver o corte, a instituição pode parar as atividades no campus de Cuiabá partir do segundo semestre deste ano, por falta de recursos.

O Ministro da Educação, Abraham Weintraub tem reiterado na imprensa que não haverá corte no orçamento das universidades e instituições de ensino federais, mas sim um contingenciamento.

Segundo Abraham, o governo fez a opção pelo contingenciamento para cumprir a Lei de Responsabilidade Fiscal e disse apostar na retomada da economia.

Ranking de pesquisas

Entre as 20 universidades com mais pesquisas realizadas, 15 são federais, cinco são estaduais e todas são públicas, de acordo com dados do próprio MEC.

Segundo  RUF (Ranking Universitário do Jornal a Folha de S. Paulo), as universidades públicas produzem 90% da pesquisa do país. As principais áreas abordadas são Agricultura, Medicina e Saúde, Física e Ciência Espacial, Psiquiatria e Odontologia.

Confira as principais pesquisas da UFMT nos últimos 4 anos

- Pesquisas sobre contaminação do solo com mercúrio e  desenvolvimento de produto biotecnológico para controle de larvas do Aedes aegypti, todos os projetos voltados à conservação da biodiversidade.

- Bioprospecção etnobotânica, química e farmacológica de plantas medicinais de Mato Grosso utilizadas como cicatrizantes de feridas.

- Pesquisas sobre mudanças climáticas na Amazônia e no Pantanal

- Avaliação do potencial técnico e econômico de geração e uso de energias renováveis em mato grosso - fase I

- Estado nutricional e qualidade de vida de pacientes com doença renal crônica em tratamento hemodialítico

- Protótipo tecnoíndia

- Cultura para a inovação na universidade federal brasileira

- Avaliação da regularidade e qualidade do programa nacional de alimentação escolar em escolas da rede estadual de cuiabá e varzea grande-mt.

- A influência do tai-geiko nas funções físicas e cognitivas de pacientes com esclerose múltipla.

- Indicadores de gerenciamento de risco em processos na gestão pública: o caso tce mt

- Educação, relações raciais e instituições: territorialidades e fronteiras sociais

- Ontologia social: Análise de sobrevivência do câncer

- Comportamento organizacional: gestão de pessoas e relações no ambiente de trabalho

- Fatores determinantes e métodos alternativos na projeção de vendas do mercado mato-grossense

- Representações do feminino: a circulação de discursos sobre a mulher no contexto brasileiro

- Mulheres chefes de família e auto emprego

- Educação para libertação de mulheres em situação de presídio em mato grosso

- Fazer família, entre biogenética e intenção: gestação de substituição e homoparentalidade no brasil

- Geografia da hanseníase em cuiabá

- Mecanismos relacionados ao comprometimento articular crônico em pacientes com chikungunya e seus marcadores associados ao prognóstico

- Título do projeto: ambiente construído, desempenho ambiental e ecoinovações

- Influência da obesidade, da aptidão aeróbia e do tipo de recuperação no restabelecimento hemodinâmico, modulação autonômica cardíaca e metabólico pós-exercício máximo em homens jovens não treinados

- Aptidão aeróbia, modulação autonômica cardíaca e pressão arterial de 24-h em jovens não treinados com obesidade

- Respostas glicêmicas da ingestão de carboidratos pós-exercício em indivíduos normoglicêmicos

Leia mais

Com corte de 30% no orçamento, UFMT pode parar de funcionar em junho

Corte do MEC afeta setores de pesquisa e pós-graduação na UFMT

 

 











(1) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

ana  12.05.19 18h10
assistam no you tube a deputada estadual por SC Ana Campagnolo... la ela traz alguns dos titulos das monografia de mestrado e doutorado que nos pagamos com nossos impostos. VERGONHOSOS

Responder

7
17
Jessi  16.05.19 07h18
Vergonhoso é dar voz pra uma mulher que disse que ia ganhar dinheiro sem trabalhar e agora conseguiu. Vergonhoso é não enxergar o óbvio que ela se elegeu através desse sensacionalismo barato que é usado para atacar as pessoas, mas nunca inteligente o suficiente para propor algo.

Responder

6
3
Helen  16.05.19 12h35
Não leia apenas o título Ana! Leia toda a monografia, dissertação ou tese e tenho certeza que compreenderá melhor sua relevância e suas justificativas. Não se deixe levar por sensacionalismo barato. Educação é importante para o desenvolvimento, para o crescimento econômico, para o progresso da civilização. Paz e bem!

Responder

5
0
Matéria(s) relacionada(s):

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER