12.01.2019 | 08h00


GREVE BRANCA

Servidores da saúde vão parar por 24h em protesto contra atraso de salários

De acordo com a decisão foi tomada em assembleia geral na tarde de sexta-feira (11) a paralisação foi está marcada para o próximo dia 12 de fevereiro.


DA REDAÇÃO

Servidores estaduais da saúde prometem paralisar as atividades por 24 horas no próximo dia 12 de fevereiro. A decisão foi tomada no fim da tarde de sexta-feira (11) durante assembleia geral da categoria, diante da decisão do Governo do Estado de escalonar a folha salarial do mês dezembro e parcelar em quatro vezes o pagamento do 13º de parte dos do funcionalismo público. 

No dia da greve, cerca de seis mil servidores vão discutir a possibilidade de entrarem em greve por tempo indeterminado. 

Em nota à imprensa, o presidente do Sindicato dos Servidores Públicos da Saúde (Sisma-MT), Oscarlino Alves, explicou que a paralisação será em todo estado, “em unidades ambulatoriais, hospitalares e administrativas, mantendo apenas o efetivo de 30% da urgência e emergência, e desmarcando todos os procedimentos eletivos caso os salários não sejam creditados em sua integralidade (100%) até o dia 11/02/2019 para todos servidores aposentados, pensionistas e ativos”.

“Com verba alimentícia não se brinca. Se prioriza! Não aceitaremos mais atrasos. E mesmo se alguns receberem por faixa o espírito de solidariedade da nossa categoria será o diferencial de todos na luta por mais respeito”, ressaltou Oscalino.

“Com verba alimentícia não se brinca. Se prioriza! Não aceitaremos mais atrasos. E mesmo se alguns receberem por faixa o espírito de solidariedade da nossa categoria será o  diferencial de todos na luta por mais respeito”, ressaltou  Oscalino.

O Sisma é um dos primeiros sindicatos integrantes do Fórum Sindical a anunciar paralisação com indicativo de greve por tempo indeterminado. Esse movimento faz parte das ações das 32 entidades que compõem o grupo de sindicalistas. Até o fim deste mês, cada sindicato deve se reunir para debater o assunto e decidir sobre a paralisação dos trabalhos.

Quando anunciou o escalonamento, no início da semana passada, o governador Mauro Mendes (DEM) alegou falta de dinheiro em caixa para quitar os salários de dezembro de maneira integral. 

O Executivo acrescentou que o principal desfalque foi a não transferência dos recursos do Auxílio Financeiro para Fomento das Exportações (FEX) no valor de R$ 500 milhões, por parte do Governo Federal.    

A folha de dezembro ficou R$ 552,5 milhões, segundo o Estado. 

Outra medida que irritou os funcionários públicos estaduais foi o parcelamento em quatro vezes do restante do 13° salário de 2018 para quem fez aniversário em novembro e dezembro e os comissionados. De acordo com a tabela, o valor só será quitado em sua totalidade no mês de abril.

 

Leia mais 

Sindicalistas não aceitam escalonamentos de salários e ameaçam greve unificada 











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Matéria(s) relacionada(s):

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER