19.01.2015 | 21h55


VIDAS EM RISCO

Sem cobradores, motoristas recebem tarifa e dão troco com ônibus em movimento na Capital

Risco é para 300 mil passageiros usuários do sistema de transporte urbano na Capital todos os dias; sindicato dos motoristas não se manifesta


DA REDAÇÃO

Na ausência de cobradores, motoristas do transporte coletivo de Cuiabá estão recebendo dinheiro dos cartões e devolvendo troco, muitas vezes com o ônibus em movimento e em alta velocidade. A foto de um flagrante conseguido pela reportagem ilustra esta matéria. A foto foi tirada dentro da linha 605-Itapajé, por volta das 19h30, da última quarta-feira (14), por um usuário do sistema. Os coletivos transportam por dia em Cuiabá cerca de 300 mil pessoas.

A multa prevista em lei, publicada em Diário Oficial, no dia 28 de agosto de 2013, que proíbe motoristas do transporte de atuarem como cobradores, é de R$ 20 mil, no caso de reincidência. A punição imediata é a notificação. Após a multa, se a empresa continuar a descumprir a lei, pode ter a concessão do serviço cassada.

A Associação Mato Grossense dos Transportes Urbanos (AMTU), que representa os empresários do setor, concorda que, cobrar ou dar troco em movimento, vai contra as leis de trânsito e as regras do setor. A AMTU recomenda que os motoristas que estajm fazendo isso sejam denunciados, sob pena de serem suspensos ou demitidos. A Associação informa que os motoristas devem parar até em ponto onde há monitores vendendo cartão. Se não tiver monitor por perto, a orientação é deixar o passageiro sair pela porta da frente.

A direção do Sindicato dos Motoristas de Cuiabá foi procurada para tratar do assunto, mas afirmou que que não se manifestaria. 

Os cobradores foram excluídos do sistema em Cuiabá sob a alegação de que isso reduziria a movimentação de dinheiro dentro dos coletivos, evitando assaltos.

No dia 2 de agosto de 2013, o prefeito Mauro Mendes vetou o projeto de lei do vereador Dilemário Alencar (PTB), que havia sido aprovado pela Câmara de Vereadores, propondo o retorno dos cobradores. O prefeito alegou que poderia impactar no custo da tarifa do transporte coletivo, onerando os usuários.

Na semana passada, o Conselho Municipal de Transportes Urbanos aprovou o aumento da tarifa de R$ 2,80 para R$ 3,10. O valor ainda não está sendo cobrado nas catracas.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER