31.01.2018 | 18h25


FEBRE AMARELA

MT vira área de risco e Ministério da Saúde deve começar vacinação

Apesar de Mato Grosso ainda não ter a confirmação de casos da doença nos últimos 24 meses, todos os 141 municípios foram incluídos na lista de abrangência da vacinação.


DA REDAÇÃO

Mato Grosso também foi incluído na lista de Estados que devem realizar a vacinação contra a febre amarela pelo Ministério da Saúde. O Brasil enfrenta um surto da doença principalmente nos estados de São Paulo e Minas Gerais e ainda há registros confirmados do vírus no Rio de Janeiro e Distrito Federal.

Apesar de Mato Grosso ainda não ter a confirmação de casos da doença nos últimos 24 meses, todos os 141 municípios foram incluídos na lista de abrangência da vacinação.

Conforme a Secretaria de Estado de Saúde,  por enquanto é investigado um caso em Mato Grosso, ocorrido no segundo semestre de 2017. O último registro de morte por febre amarela silvestre em Mato Grosso foi no ano de 2009 e foi registrado no município de Feliz Natal.

A febre amarela silvestre é transmitida pelo mosquito Haemagogus, já a febre amarela urbana é transmitida pelo mosquito Aedes Aegypit, o mesmo que transmite a dengue, a zika e chikungunya.

A SES explica que Mato Grosso é considerado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e pelo Ministério da Saúde, uma área estratégica de controle vetorial e garante que o Estado tem vacina suficiente para imunizar a população.

A média de cobertura vacinal registrada pela SES é de 75% e os 141 municípios estão abastecidos com a vacina, conforme informação da coordenação de Vigilância em Saúde Ambiental.

A pessoas que forem viajar para as áreas consideradas de risco, precisam receber a dose com antecedência da viagem, pois a imunização passa a fazer efeito 10 dias após a aplicação.

Ao todo, 21 estados estão incluídos na lista da campanha promovida pelo Ministério Público, somente o Rio Grande do Norte, Ceará, Paraíba, Alagoas, Pernambuco e Sergipe estão dispensados.

O governo federal recebeu 1,080 notificações de casos suspeitos – 432 foram descartados e 435 permanecem sob investigação. Em comparação com o mesmo período entre 2016 e 2017, houve redução de 54% nos casos confirmados.

As mortes devido à doença diminuíram 44%. Os dois estados mais afetados,  São Paulo e Minas Gerais, registraram 108 e 77 casos confirmados, respectivamente. O Rio de Janeiro detectou 27 infecções por febre amarela, seguido do Distrito Federal, com apenas uma pessoa. 

Veja a lista das cidades de Mato Grosso:

Acorizal, Água Boa, Alta Floresta, Alto Araguaia, Alto Boa Vista, Alto Garças, Alto Paraguai, Alto Taquari, Apiacá, Araguaiana, Araguainha, Araputanga, Arenápolis, Aripuanã, Barão de Melgaço, Barra do Bugres, Barra do Garças, Bom Jesus do Araguaia, Brasnorte, Cáceres, Campinápolis, Campo Novo do Parecis, Campo Verde, Campos de Júlio, Canabrava do Norte, Canarana, Carlinda, Castanheira, Chapada dos Guimarães, Cláudia, Cocalinho, Colíder, Colniza, Comodoro, Confresa, Conquista D'Oeste, Cotriguaçu, Cuiabá, Curvelândia, Denise, Diamantino, Dom Aquino, Feliz Natal, Figueirópolis D'Oeste, Gaúcha do Norte, General Carneiro, Glória D'Oeste, Guarantã do Norte, Guiratinga,Indiavaí,Ipiranga do Norte, Itanhangá, Itaúba, Itiquira, Jaciara, Jangada, Jauru, Juara, Juína, Juruena, Juscimeira, Lambari D'Oeste, Lucas do Rio Verde, Luciara, Marcelândia, Matupá, Mirassol D'Oeste, Nobres, Nortelândia, Nossa Senhora do Livramento, Nova Bandeirantes, Nova Brasilândia, Nova Canaã do Norte, Nova Nazaré, Nova Lacerda, Nova Maringá, Nova Santa Helena, Nova Marilândia, Nova Monte Verde, Nova Mutum, Nova Olímpia, Nova Ubiratã, Nova Xavantina, Novo Mundo, Novo Horizonte do Norte, Novo São Joaquim, Paranaíta, Paranatinga, Nova Guarita, Novo Santo Antônio, Pedra Preta, Peixoto de Azevedo, Planalto da Serra, Poconé, Pontal do Araguaia, Ponte Branca, Pontes e Lacerda, Porto Alegre do Norte, Porto dos Gaúchos, Porto Esperidião,Porto Estrela, Poxoréo, Primavera do Leste, Querência, Reserva do Cabaçal, Ribeirão Cascalheira, Ribeirãozinho, Rio Branco, Santa Carmem, Santo Afonso, São José dos Quatro Marcos, São José do Povo, São José do Rio Claro, São José do Xingu, São Pedro da Cipa, Rondolândia, Rondonópolis, Rosário Oeste, Santa Cruz do Xingu, Salto do Céu, Santa Rita do Trivelato, Santa Terezinha, Santo Antônio do Leste, Santo Antônio do Leverger, São Félix do Araguaia, Sapezal, Serra Nova Dourada, Sinop, Sorriso, Tabaporã, Tangará da Serra, Tapurah, Terra Nova do Norte,  Tesouro, Torixoréu, União do Sul, Vale de São Domingos, Várzea Grande, Vera, Vila Bela da Santíssima Trindade, Vila Rica.   

 

 











(1) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Ednaldo Bastos  01.02.18 01h33
Acredito que essa medida de prevenção seja um ponto muito importante! Contudo, até mesmo para corrigir alguma falsas informações que alguns postos de saúde estão repassando não sei se põe má fé ou por não querer mesmo. O fato é que eu levei meu filho ao posto de saúde do Residencial Coxipó, localizado na região do Coxipó em Cuiabá, para juntos tomarmos a vacina da febre amarela tendo em vista esse problema de febre amarela na região sudeste. Infelizmente, como é comum, eu e meu filho de 10 anos fomos recebidos de forma hostil e sem motivo pela atendente do postinho que fica na avenida principal do Residencial Coxipó, sentido itapaje, antes da igreja católica. É lá sem saber o porque, nos foi negada as vacinas porque segundo a atendente quem tomou a vacina mesmo que a mais de 10 anos não seria necessário tomar de novo pois a vacina é única. Como tentar entender funcionário público que já atende mal não leva a lugar nenhum eu e meu filho ficamos desprotegidos. E agora ? Tomar pelo particular?? Pagar ??? Como denunciar a secretaria de saúde????

Responder

0
0

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER