14.03.2019 | 16h30


ENTERRADA VIVA

MP pede que pai fique com a guarda de bebê indígena

A guarda será cedida ao pai caso seja confirmada a possibilidade da menina continuar a receber tratamento médico necessário.


DA REDAÇÃO

O Ministério Público Estadual (MPE) solicitou que a Justiça conceda a guarda da bebê indígena A.K.T. (que foi enterrada viva durante seis horas logo após o parto) , ao pai dela, Kayani Trumai Aweti.

A menina foi enterrada viva pela bisavó materna logo após o nascimento, em maio de 2018, no município de Canarana (a 838 km de Cuiabá).

O pedido é para que haja adequação da concessão da guarda da menor ao pai biológico.

A menina, que hoje está com 10 meses, vive na Casa de Saúde do Índio (Casaí), em Canarana, responsável pela tutela dela. Lá ela realiza exames médicos rotineiros. A Casaí deve informar se há viabilidade da menor continuar recebendo atendimento médico na instituição, mesmo vivendo com o pai, que mora em outro município. A guarda só será cedida ao pai se a resposta for positiva.

Quando recém-nascida, a menina ficou internada mais de um mês, no Hospital Santa Casa de Misericórida. Precisou respirar com a ajuda de aparelhos e se alimentar  através de sonda. A bebê foi submetida a diálise peritoneal (espécie de filtragam de sangue, removendo execesso de água e toxinas do corpo).

Relembre o caso

Policiais receberam uma denúncia anônima de que uma indígena havia feito o parto de uma criança às 12h e enterrado o filho às 16h, em um terreno ao lado da casa. A criança nasceu e foi enterrada no dia 5 de julho de 2018. 

A avó e mãe do bebê afirmaram que a menina recém-nascida foi enterrada por ter nascido morta.

Em nova conversa com a polícia, a avó do bebê confessou que a recém-nascida foi enterrada viva porque a mãe tinha apenas 15 anos e o pai da criança não iria assumir o filho, pois já estaria morando em outra aldeia com outra índia.

 

Veja o vídeo

Leia mais

Bebê indígena é enterrado vivo em MT; veja o vídeo 

Galeria de Fotos:
Credito:
Credito: Reprodução










COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Matéria(s) relacionada(s):

Enquete

R$ 65 MILHÕES

Você é a favor ou contra o corte de Bolsonaro no orçamento da UFMT e IFMT?

Sim, só produzem baderna

Não, vai piorar o nível dos cursos

Sim, a maior parte do gasto é com altos salários de servidores

Não, deveria aumentar os investimentos

  • Parcial

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER