05.08.2018 | 14h40


AUMENTO DE ASSALTOS

Motoristas de Uber querem central de segurança e 'botão de pânico'

A categoria busca formar uma cooperativa para dar mais segurança aos motoristas, principalmente durante os períodos da noite e madrugada.


DA REDAÇÃO

Motoristas do aplicativo Uber denunciam ao um aumento no número de assaltos, ocorridos em Cuiabá nos últimos meses. Por isso eles pretendem formalizar uma coopetariva para dar mais segurança aos trabalhadores, principalmente durante a noite e a madrugada. Os motoristas reclamam que a emprensa ainda não criou dispositivos eficientes para prevenir os roubos, e que isso e uma demanda antiga da categoria.

Conforme apurou a reportagem, os motoristas de Uber pretendem formalizar uma cooperativa visando principalmente a segurança dos trabalhadores, que atualmente se organizam enquanto categoria em grupos de WhatsApp.

Com a cooperativa, seria contratada uma central de segurança para monitorar os carros via satélite. Em caso de algum perigo, os trabalhadores acionariam um "botão de pânico" que emitiria um alerta direto para a central, avisando que há uma assalto em andamento. A partir disso, a Polícia Militar entraria em ação.

Casos de assalto

Um motorista, que preferiu não se indentificar, conta que três colegas foram assaltados nas últimas semanas. Ele detalha que no período das férias as solicitações de corrida diminuem muito, o que obriga os trabalhadores a aceitarem viagens durante a noite e a madrugada em bairros considerados perigosos na Capital.

Ele também observou que muitos assaltos acontecem no momento em que o passageiro é deixado no local. 

Com a motorista L.T.A. foi diferente, pois ela foi assaltada - no último dia 11 - em uma região movimentada da cidade, em frente ao Hospital Jardim Cuiabá.

Segundo informações da Polícia Militar, a mulher fez uma pausa no trabalho para utilizar o banheiro do hospital, mas quando retornou para o carro foi rendida. Ela tentou correr, quando o criminoso exigiu a chave do carro Renoult. A vítima caiu e machucou os joelhos e a mão. O carro foi levado pelo bandido junto com o celular e os outros pertences dela. Horas depois a PM conseguiu recuperar o veículo. (Mais informações sobre esse caso no link no final da matéria)

 

Leonardo Moreira, que trabalha com o Uber há dois anos, também já foi vítima de assalto, em fevereiro deste ano, quando aceitou uma corrida no bairro Tijucal durante a madrugada. 

No carro entraram dois homens que iriam para o bairro Pedra 90. Chegando próximo ao destino pediram para Moreira seguir rumo à região conhecida como Cinturão Verde, em direção a uma estrada de chão isolada no bairro.

"Foi quando anunciaram o assalto. Os dois estavam armados e pediram para eu descer do carro. Um deles me revistou para ver se eu estava armado. Depois mandaram eu virar de costas e sair andando", relata o motorista. 

Moreira conta que no outro dia conseguiu rastrear o carro - um Gol Geração 6 - por meio de um aplicativo na Internet, que travou o veículo. Os criminosos abandonaram o carro em um matagal no bairro Jardim Imperial, em Cuiabá, atrás do Condomínio Belvedere.

Apesar da experiencia traumática, Moreira decidiu continuar trabalhando com o Uber, pois foi a maneira encontrada de ficar próximo das filhas de 2 e 3 anos.

 

ReporterMT

uber.jpg

Motorista Uber mulher teve o seu Sandero levado por um bandido em frente ao Hospital Jardim Cuiabá, região central da cidade.

Jadilson Dias de Souza trabalha com o Uber há 1 ano. Nesse período percebeu que os assaltos ocorrem, via de regra, durante a noite dos finais de semana.

Segundo ele, os criminosos sabem que muitos motoristas trabalham o dia inteiro aos sábado e domingos e que por isso acabam acumulando uma boa quantia em dinheiro.

"É o momento que aproveitam para fazer o assalto, principalmente durante a madrugada, quando a gente aceita muitas corridas em locais de festa". 

 

Faltam dispositivos de segurança

Muitos motoristas reclamam que a plataforma do aplicativo ainda dispõem de poucos recursos para garantir a segurança dos trabalhadores. 

Jadilson alega, por exemplo, que o sistema não mostra a foto do passageiro e fornece poucas informações da pessoa. 

Ele também disse que o criminosos, de alguma forma, conseguem burlar o aplicativo ao se cadastrarem no sistema usando um CPF clonado ou de outra pessoa. "Os mecanismos de segurança precisam melhorar e muito".

Mecanismos de segurança  

No site oficial da Uber consta que a empresa está "desenvolvendo e testando mais funcionalidades para tornar a plataforma cada vez mais segura". As funcionalidades, conforme a empresa, são criadas com base nas sugestões dos motoristas. 

A Uber destaca que os novos usuários que escolhem pagar as viagens somente com dinheiro - sem adicionar um cartão de crédito ou débito à conta - devem confirmar seu CPF e data de nascimento. Segundo a empresa, as informações são cruzadas com a base de dados da Receita Federal para confirmar a identidade. 

A Uber também menciona que na plataforma há um botão que informa quais locais (bairros) - considerados perigosos - estão com o serviço de viagem indisponível, dependendo  do dia e horário.  

"Nós temos uma equipe de resposta a incidentes disponível 24 horas por dia para ajudar com emergências em relação à segurança", destaca a empresa. 

Leia mais

Motorista de Uber é rendida e tem carro roubado na frente do hospital, em Cuiabá 











(2) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

ELOI WANDERLEY DA SILVA  06.08.18 06h16
Meu nome é Wanderley e sou UBER a um ano, a categoria é desorganizada por através desta reportagem deixo meu número de celular (65 9 8468 3844 - Zap) para que possamos criar um grupo exclusivamente para troca de experiências e criação dessa cooperativa, associação ou até até um sindicato. Grupo exclusivo para motoristas parceiros.

Responder

1
0
JOSE NILDO  05.08.18 16h46
Kkkkko quem Viu quem ve

Responder

0
3

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER