11.06.2019 | 18h00


GREVE GERAL

Motoristas de ônibus cruzam os braços novamente em Cuiabá e Várzea Grande

Categoria anunciou que cerca de mil motoristas irão cruzar os braços na próxima sexta-feira em apoio à greve geral, que protesta contra a reforma da previdência.



Quatro dias após a paralisação geral, que deixou usuários do transporte coletivo de Cuiabá e Várzea Grande totalmente sem ônibus, durante toda a manhã de segunda-feira (10), os motoristas de ônibus irão paralisar novamente o serviço na sexta-feira (14), em apoio à greve geral, comandada pelas centrais sindicais.

Conforme o Sindicato dos Trabalhadores Rodoviários da Baixada Cuiabana (Sintrobac), em Cuiabá e Várzea Grande cerca de mil motoristas vão cruzar os braços, o que vai afetar diretamente o trabalhador que precisa do sistema público.

A paralisação foi definida em assembleia geral na sexta-feira (07).

A greve geral ocorre em todo o país como protesto à reforma da previdência, que na visão dos sindicalistas traz mudanças que dificultarão ao trabalhador o acesso à aposentadoria. 

Em Cuiabá, a concentração do movimento grevista no dia 14 está programada para acontecer na praça Ipiranga.

Na segunda-feira (10), os motoristas paralisaram o transporte coletivo sem qualquer aviso prévio e sem manter o mínimo de atendimento de 30%, o que é considerado ilegal. Eles alegavam atraso salarial.

A justificativa inicial da Associação Mato-grossense dos Transportadores Urbanos (MTU) foi a ‘desorganização’ financeira nas empresas pelas constantes alterações no valor da tarifa do transporte.

A Prefeitura de Cuiabá emitiu nota de repúdio contra a paralisação de 100% da frota dos ônibus. O prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) disse estranhar a situação ocorrer logo após o lançamento do edital de licitação do transporte coletivo, procedimento que não era realizado há 17 anos e avisou que a se a situação não fosse solucionada ainda nesta segunda-feira, ele iria tomar providências junto à Justiça.

Emanuel classificou a situação como falta de respeito com a população e determinou que o secretário Municipal de Mobilidade Urbana (Semob), Antenor Figueiredo, se reunisse com representantes do sindicato dos motoristas e das empresas para buscar uma solução para o retorno do transporte coletivo imediatamente.

Os motoristas voltaram ao trabalho após reunião em que os empresários se comprometeram a pagar os salários na quarta-feira (12). 











(5) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Olávo   13.06.19 16h22
Falta de respeito é o prefeito fazer a população de palhaço com suas manobras e malandragem política favorecendo a sim próprio e sua corjas de corruptos.🤬🤬🤬

Responder

1
0
ana  13.06.19 13h06
quando eles pararam por causa dos salarios pagos fora do dia combinado eu ate apoiei mas se juntar a turma do PT, PSOL e por ai vai to fora. Acho errado depois quando não tiverem como receber a aposentadoria não podem reclamar

Responder

1
0
Uvander Gonçalo lechner de lima  11.06.19 19h49
E muito fácil ao prefeito repudiar,essa greve porém nem ele é nem os donos de empresas fazem nada pra sanar os pagamentos atrasados aos motoristas e servidores, será que ele consegue trabalhar com o salário atrasados,isso será difícil tanto ele quanto os donos das empresas que ganham dinheiro que some de vista

Responder

6
0
Jean p Targa  11.06.19 18h59
ATITUDE ACERTADA... PARABÉNS MOTORISTAS.. ESTAMOS JUNTOS......

Responder

7
3
ana  11.06.19 18h43
porque será que eles não se manisfestam nos finais de semana??? com a palavra o PT

Responder

3
4

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER