07.12.2017 | 09h30


RESGATADA NA GUERRA

Jovem dada como 'desaparecida' na Síria chega a Cuiabá nesta quinta

Juliana Cruz estava na Síria (país em guerra civil) e havia sido detida pelas autoridades locais, junto ao homem que conheceu na internet.


DA REDAÇÃO

Deve chegar a Cuiabá nesta quinta-feira (07), a jovem cuiabana, Juliana Cruz, que estava na embaixada brasileira em Damasco, na Síria, desde quando foi localizada a partir de ação da Polícia Federal, após a família denunciar que ela havia desaparecido no país que passa por uma guerra civil.

Juliana, que é auxiliar administrativo da Associação Mato-Grossense dos Municípios (AMM), viajou no período de férias para a Síria, com o objetivo de encontrar um homem que conheceu pela internet.

A jovem teria sido detida junto com o homem com quem ela foi se encontrar no país. Segundo fontes do , ele seria um rebelde opositor ao Governo sírio e por isso ambos foram presos por autoridades locais.

A Síria está em guerra civil desde 2011, com forças rebeldes tentando derrubar o Governo do ditador Bashar Al-Assad.

Juliana foi liberada após negociações promovidas pela embaixada brasileira.

O Ministério das Relações Exteriores informou por meio de nota, que Juliana foi encontrada e encaminhada, na terça-feira (5), para a embaixada sem sinais de maus-tratos.

"Juliana Cruz encontrava-se bem e não tinha sinais de maus-tratos ou qualquer tipo de violência", descreve a nota.

A cuiabana embarcou para o Brasil na quarta-feira (6), e a previsão é de que o voo dela chegue em Cuiabá, nesta quinta.

A assessoria de imprensa da Polícia Federal informou que nenhum crime foi constatado neste caso e, portanto, não teria mais informações sobre este processo.

O caso

A jovem que estava de férias da AMM, viajou para a Síria no dia 14 de novembro e deveria ter retornado dia 28. Desde então, não havia entrado em contato com ninguém no Brasil. Ela foi encontrada na segunda-feira (4), conforme informações da Polícia Federal.

Ela viajou para o Oriente Médio, com o objetivo de se encontrar com Sheraz Re, que ela conheceu pelas redes sociais. 

Ela chegou a pedir para que duas guias turísticas a atravessassem na Faixa da Gaza, região na Palestina que sofreu com diversos conflitos durante o século passado. 

A família prestou queixa na Polícia Federal no dia 29 de novembro, quando iniciaram as investigações sobre o desaparecimento de Juliana.

Leia mais:

 

Cuiabana encontrada na Síria é levada à embaixada e deve voltar a MT

Cuiabana é encontrada na Síria; PF confisca computador da AMM e quebra sigilos

Funcionária da AMM-MT desaparece após viagem à Síria; PF investiga











(3) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Neylago  07.12.17 15h42
Oh moça não faz assim cos povo não, podia ter morrido um de infarto. Se quiser namorar um estrangeiro, pense na Dinamarca, Suécia, Suíça, Islândia...... Tá, eu sei que é muito frio nesses países mas pelo menos os cara lá é de boa.

Responder

4
1
Ana  07.12.17 10h56
http://brasil.estadao.com.br/noticias/geral,brasil-tem-maior-numero-de-mortes-violentas-no-mundo-diz-entidade,70002111415 Coitada... O Brasil é pior do que a Síra, a Índia, a Nigéria africana...

Responder

5
1
Ricardo Oliveira  07.12.17 10h28
Ricardo Oliveira, seu comentário foi vetado por conter expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER