08.01.2019 | 16h40


MORTE NA MIGUEL SUTIL

CRM abre investigação para cassar registro de médica que atropelou verdureiro

Conselho Regional de Medicina aponta que Letícia Bortolini infringiu o Código de Ética ao não prestar socorro a vítima.


DA REDAÇÃO

O Conselho Regional de Medicina (CRM-MT) abriu Procedimento Ético Profissional (PEP) que pode culminar na cassação do registro profissional da médica Letícia Bortolini, acusada de ter atropelado e matado o verdureiro Francisco Lúcio Maia, na Avenida Miguel Sutil, no dia 14 de abril do ano passado. Se Francisco estivesse vivo, completaria 49 anos nesta terça-feira (08).

A informação foi repassada em primeira mão ao pela filha da vítima, Francinilda da Silvia Lúcio, que encaminhou um ofício ao CRM em que concorda com a abertura do processo contra a médica.

Nesse mesmo ofício é citado que o conselho arquivou investigação contra o marido de Letícia, o também médico Aritony de Alencar Menezes, que estava com ela no dia do atropelamento.

Conforme o CRM, o PEP foi aberto porque Letícia possivelmente infringiu o Código de Ética médica, “quando de forma negligenciada, pelo constante nos autos do processo, deixou de prestar assistência médica ao Sr. Francisco Lúcio Maia após tê-lo atropelado, com o agravante de estar possivelmente dirigindo veículo sob efeito de álcool, no momento do acidente (…)”, destaca trecho da ata de julgamento da sindicância realizada pela 5ª Câmara do Tribunal Regional de Ética Médica do CRM-MT, ao qual a reportagem teve acesso.

Letícia foi omissa e agiu com “imperícia, imprudência ou negligência”, pois, deveria ter socorrido o verdureiro, já que como médica possuía o conhecimento técnico para tais procedimentos.

O CRM ressaltou que pelos autos do processo, Letícia foi omissa e agiu com “imperícia, imprudência ou negligência”, pois, deveria ter socorrido o verdureiro, já que como médica possuía o conhecimento técnico para tais procedimentos.

O documento, no entanto, não cita os motivos de arquivamento da denúncia contra o médico Aritony.

O Processo Ético Profissional é instaurado após a abertura de sindicância em que o Conselho de Medicina verifica a procedência de denúncias contra médicos que supostamente tenham praticado algum desvio de conduta.

Se um médico é condenado num PEP, as penas podem resultar em advertência confidencial em aviso reservado; censura confidencial em aviso reservado; censura pública em publicação oficial; suspensão do exercício profissional até 30 dias; e nos casos mais extremos a cassação do exercício profissional.

A investigação contra a médica no CRM corre em sigilo. Na justiça comum ela é ré pelo atropelamento desde setembro de 2018. A denúncia foi oferecida pelo Ministério Público Estadual (MPE) e aceita pelo juiz Flávio Miriglia Fernandes, da Décima Segunda Vara Criminal de Cuiabá. 

Denúncia 

O promotor de Justiça Vinicius Gahyva Martins, da Primeira Promotoria de Justiça Criminal, ofereceu denúncia contra Letícia Bortolini pela prática de quatro crimes: homicídio doloso, omissão de socorro, embriaguez ao volante, e por se afastar do local do acidente fugindo da responsabilidade.

O promotor ressaltou que mesmo depois d o atropelamento do verdureiro, a médica conduziu o veículo - Jeep - sob a influência de bebida alcoólica.

Ele ainda lembrou que, Bortolini e o marido, Aritony de Alencar Menezes, que também é médico, horas antes do crime estiveram em evento open bar e que mesmo tendo ingerindo álcool "a denunciada Letícia Bortonlini assumiu a condução do veículo pertencente ao casal".

 

 

RepórterMT

pep médica leticia bortolini 


Leia mais

Médica vira ré por dirigir bêbada e matar verdureiro atropelado  











(4) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Eduardo Alvarenga  09.01.19 09h06
Cadê o meu comentário?

Responder

1
0
Eduardo Alvarenga  09.01.19 08h41
Sou totalmente contra essa medida, agora vamos criar mais pessoas desempregadas por uma ocorrência muito triste infelizmente? Então quando um trabalhador morre em seu trabalho por qualquer problema, vamos casar o registro dos engenheiros e donos da empresa? O mais certo e suspender a CNH dela por no minimo 5 anos, nesse período trabalhar e sustentar a família que perdeu o ente querido, inclusive ter que bancar a formação de pelo menos um dos membros da família até a sua formação completa, de preferencia na área de medicina também, conforme interesse da família.

Responder

0
1
Benedito costa  08.01.19 21h59
Que pode culminar na cassação dessa médica? Isso é pouco, ela tem que ser imediatamente cassada , depois se quiser que entre na justiça pra reaver sua carteira.

Responder

2
0
grapolhek  08.01.19 20h14

Responder

0
0

Enquete

GESTÃO

Como você define o governo de Mauro Mendes, até agora?

Excelente: MT foi destruído por governos anteriores

Bom: Está enfrentando problemss que ninguém quis enfrentar

Ruim: Não faz reformas de verdade e culpa o servidor

Péssimo: Vai conseguir ser pior que Silval e Taques

  • Parcial

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER