10.10.2018 | 16h20


DESCUMPRIU CAUTELARES

Boate confirma à Justiça que cabo PM preso por grampos passou noite em balada

O cabo da Polícia Militar, Gerson Corrêa, pode retornar a prisão, caso seja comprovada a ida dele a casa noturna. Ele teria descumprido uma determinação da Justiça que pedia recolhimento noturno.


DA REDAÇÃO

Documento comprovaria que o cabo da Polícia Militar, Gerson Correa, réu confesso no processo que investiga um esquema de grampos ilegais no Estado, teria violado medidas cautelares impostas pela Justiça ao ir a uma casa noturna, no dia 30 de agosto.

Nos autos do processo consta que, no dia 28 de setembro, às 16h, um representante do Malcom Pub teria entregado uma ficha cadastral de clientes que estavam portando arma de fogo, com assinatura de Gerson. O cabo pode retornar a prisão, caso seja comprovada a ida dele ao local.

Nos autos do processo consta que, no dia 28 de setembro, às 16h, um representante do Malcom Pub teria entregado uma ficha cadastral de clientes que estavam portando arma de fogo, com assinatura de Gerson.

"Certifico e dou fé que, nesta data, às 16 horas, compareceu espontaneamente nesta Secretaria, [...], representante do estabelecimento comercial Malcom Pub para fazer a entrega do documento original “Ficha cadastral de clientes portando arma de fogo” em nome de Gerson Luiz Ferreira Correa Jr., RGPM 882.721, na data de 30/08/2018", diz trecho da publicação.

Por esse motivo, o juiz da Décima Primeira Vara Criminal Especializada Justiça Militar, Wladymir Perri, intimou a defesa do cabo para que, no prazo de dois dias, manifeste sobre os novos documentos anexados ao processo. Após o prazo, com ou sem manifestação, solicitou que seja aberto vista ao Ministério Público do Estado (MPE).

Em março, por unanimidade, os desembargadores da Terceira Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT) determinaram a soltura do cabo Gerson Correa. Em contrapartida, a prisão preventiva foi revertida por medidas cautelares como, por exemplo, uso de tornozeleira eletrônica e recolhimento noturno.

Em setembro, o MPE recebeu uma denúncia de que o cabo teria descumprido as cautelares imposta ao frequentar a casa noturna.

Condenação

O Ministério Público Estadual apresentou as alegações finais no processo relacionado ao “Caso da Grampolândia Pantaneira”. Foi solicitada a condenação do cabo Gerson, por falsificação de documento público e falsidade ideológica, cuja pena pode chegar até 18 anos de prisão, também devido à continuidade delitiva.

Gerson é investigado após confessar que operou escutas ilegais em Mato Grosso. Por isso, o militar é considerado peça chave do esquema que grampeou advogados, jornalistas e autoridades políticas, na modalidade conhecida como “barriga de aluguel”. 

Em seu depoimento, Gerson acusou o governador Pedro Taques (PSDB) e o seu primo, ex-secretário chefe da Casa Civil, Paulo Taques de serem os donos dos grampos. Ambos negam envolvimento no caso.

Leia mais

Dados de clientes da boate Malcon Pub podem levar cabo de volta à prisão

Cabo da PM preso por operar grampos em Mato Grosso foi à boate Malcon Pub

MP quer condenação de até 23 anos para Zaqueu, Lesco e cabo da PM











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Enquete

O Governo de Mauro Mendes vai ser melhor ou pior que o de Pedro Taques?

Será melhor

Será pior

Será igual

Não sei

  • Parcial Votar

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER