11.11.2017 | 20h03


CURA PELA HIPNOSE

Traumas, distúrbios e gagueira podem ser tratados por condução mental; veja vídeo

O poder da hipnose em diversos tratamentos é reconhecido pela ciência e a prática é usada até mesmo para anestesiar em procedimentos odontológicos.


DA REDAÇÃO

Em entrevista ao , a hipnoterapeuta clínica Adriana Bender explica que a prática é totalmente diversa à imagem frequentemente associada ao espetáculo e afirma que a técnica é reconhecida cientificamente como alternativa capaz de tratar traumas, a partir da condução mental do paciente.

"O paciente poderá caminhar na sua linha do tempo, desde a fase intrauterina, acessando suas memórias e os momentos traumáticos que ele não acessaria consciente", explica a hipnoterapeuta.

"O paciente poderá caminhar na sua linha do tempo, desde a fase intrauterina, acessando suas memórias e os momentos traumáticos que ele não acessaria consciente", explica ela. 

Segundo a terapeuta, traumas podem ser de eventos simples e complexos, relativos com a percepção de cada pessoa e pode ser instalado em toda a vida. "Durante toda sua vida podem acontecer percepções de traumas, sendo importante tratá-los para tomada de decisões mais conscientes. Ao passo que se conhecem, as pessoas tomam decisões a partir de suas verdades e não pelos seus medos, e isso é libertador", pontua.  O ciúme, por exemplo, pode ser originado de um trauma. 

Ela conta que até mesmo na odontologia a prática vem sendo utilizada.

"A hipnose é muito utilizada em consultório de dentista como anestesia natural. É muito abrangente envolvendo até mesmo casos de autismo".

Segundo Adriana,  a hipnose também tem sido alternativa para quem busca tratamento para a gagueira.

"Não existe na medicina tradicional a cura para a gagueira. Ela só tem bons resultados com terapia".

Na entrevista, ela abordou também a terapia para auxiliar no tratamento do alcoolismo.

Confira a entrevista na íntegra:

 











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER