10.03.2018 | 19h47


SEXO

Técnica aumenta 'ponto G' e facilita orgasmo, explica médica; veja vídeo

Natasha Crepaldi explica que é possível realizar a volumização do ponto G para aumentar a sensibilidade feminina.


DA REDAÇÃO

Em 2015, o rejuvenescimento íntimo feminino, que vai além da queixa estética, começou a se popularizar no Brasil. Em entrevista ao , a médica dermatologista Natasha Crepaldi explicou os motivos do aumento da procura pelo método.

"Quando a região é volumizada, ela se torna mais hidratada e elevada, promovendo maior prazer sexual".

Entre as novas técnicas, que envolvem cuidados para as regiões interna e externa, a médica falou sobre a volumização do Ponto G, por meio de injeções de ácido hialurônico, que deixa a região  mais sensível.

"Quando a região é volumizada, ela se torna mais hidratada e elevada, promovendo maior prazer sexual". 

Natasha lembra que entre mulheres em idade reprodutiva, "30% delas não atingem o orgasmo, isso é um número importante já que entre os homens o percentual é de 5%". 

As novas técnicas também atenuam flacidez, melhoram o aspecto estético, estimulam a regeneração e a formação do colágeno, devolvendo a lubrificação vaginal.

A médica comenta que a autoestima em alta é essencial para que as mulheres se sintam confortáveis com o próprio corpo. Além disso, o tratamento dermatológico pode ser uma alternativa para quem não deseja se submeter às cirurgias invasivas. Como o envelhecimento é natural e envolve todo o corpo, a genitália também passa por mudanças que, muitas vezes, dificultam o prazer e o ato sexual.

"Não são somente mulheres mais maduras que apresentam o envelhecimento da região íntima, mas também pode acontecer em mulheres mais jovens, que tiveram muitos partos, sejam eles normais ou cesarianas, mulheres que fazem excesso de exercício aeróbico, como corrida".  O ideal, orienta ela, é associar o tratamento dermatológico à fisioterapia. 

Confira a entrevista na íntegra:

 











(1) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Maria Alice   11.03.18 11h19
Mulheres mais empoderadas, querem ficar bem por elas. Boa notícia pq mostra alternativa e novidade da medicina

Responder

21
6

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER