07.12.2017 | 07h00


VEJA O VÍDEO

Presidente da Amam acredita que STF vai mandar deputado Fabris voltar para a cadeia

Supremo Tribunal Federal iniciou o julgamento da ação que pode derrubar a decisão da Assembleia Legislativa que soltou o deputado Gilmar Fabris.



O presidente da Associação Mato-grossense de Magistrados (Amam) e vice-presidente da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), juiz José Arimatéa afirmou em entrevista ao programa Conexão Poder, que a decisão da Assembleia Legislativa em votar pela soltura do deputado Gilmar Fabris (PSD), não se sustenta juridicamente e o parlamentar tem grande chance de voltar para a cadeia.

“Estudamos a questão técnica da norma e produzimos a ação e a ideia liminarmente é suspender a decisão das assembleias do Rio de Janeiro, de Mato Grosso e do Rio Grande do Norte. Obviamente que o mandado de prisão, [de Fabris] como ele não foi revogado ainda, ele volta a valer”, argumentou o presidente da Amam.

Na quarta-feira (06) o Supremo Tribunal Federal (STF) deu início à votação sobre a Ação Direta de Constitucionalidade (ADI) movida pela Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) questionando a Constituição Estadual, que estabelece imunidade aos parlamentares, salvo em flagrante de crime inafiançável.

O ministro Edson Fachin apontou que a Assembleia Legislativa de Mato Grosso usurpou a competência do Poder Judiciário ao votar pela soltura do deputado estadual Gilmar Fabris. 

O julgamento que também envolve a soltura de deputados nos Estados do Rio de Janeiro e do Rio Grande do Norte, foi suspenso e deve ser retomado nesta quinta-feira (07).

 

A ADI ingressada pela AMB tem o objetivo de revogar as solturas dos deputados.

“Estudamos a questão técnica da norma e produzimos a ação e a ideia liminarmente é suspender a decisão das assembleias do Rio de Janeiro, de Mato Grosso e do Rio Grande do Norte. Obviamente que o mandado de prisão, [de Fabris] como ele não foi revogado ainda, ele volta a valer”, argumentou o presidente da Amam.

Assim como argumentou o ministro Edson Fachin, o juiz Arimatéa sustenta que a ação das Assembleias Legislativas em estender as de imunidades previstas na Constituição Federal a deputados federais e senadores foi irregular porque viola o princípio de separação dos poderes.

Fabris foi preso por determinação do ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF), que apontou suposta obstrução à Justiça, durante a Operação Malebolge, realizada pela Polícia Federal, em setembro.

Clique aqui e assista a entrevista na íntegra.

Leia mais:

Para ministro do STF, soltura de Fabris violou poder do Judiciário











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER